Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Criador do Ethereum, russo Vitalik Buterin critica Putin e ataque à Ucrânia

    Jovem criador da criptomoeda disse que o ataque russo é um "crime contra a humanidade" e condenou a decisão do Kremlin nas redes sociais: "Ethereum é neutro, mas eu não"

    Vitalik Buterin, criador do Ethereum, durante a TechCrunch Disrupt London 2015 - Dia 2 na Copper Box Arena, em 8 de dezembro de 2015
    Vitalik Buterin, criador do Ethereum, durante a TechCrunch Disrupt London 2015 - Dia 2 na Copper Box Arena, em 8 de dezembro de 2015 John Phillips / Getty Images

    Fabrício Juliãodo CNN Brasil Business

    O russo e criador da Ethereum, uma das mais famosas criptomoedas do mercado atualmente, Vitalik Buterin, condenou a decisão de Vladimir Putin de prosseguir com o plano de atacar a Ucrânia.

    Por meio de sua conta no Twitter, Buterin afirmou na madrugada desta quinta-feira (24) que “está muito chateado com a decisão de Putin de abandonar a possibilidade de uma solução pacífica para a disputa com a Ucrânia e ir para a guerra”.

    “Este é um crime contra o povo ucraniano e russo. Quero desejar segurança a todos, embora saiba que não haverá segurança”, publicou.

    O próprio Buterin comentou em seguida o fato de se posicionar abertamente nas redes sociais sobre o tema, mesmo sendo russo, e brincou ao fazer menção a sua criptomoeda.

    “Lembrete: Ethereum é neutro, mas eu não”, disse.

    O Ethereum caiu mais de 12% mais cedo, de acordo com o CoinMarketCap, com o anúncio sobre a invasão. Da mesma forma, o bitcoin, criptomoeda mais negociada do mundo, foi abaixo de US$ 35.000, um declínio de mais de 8% em relação ao dia anterior.

    A Rússia lançou uma invasão total da Ucrânia nesta quinta-feira (24), gerando reações de líderes mundiais e da Otan.

    Explosões e sirenes foram ouvidas em diversas cidades, incluindo a capital, Kiev, e em áreas separatistas do leste ucraniano. Diversos cidadãos já fazem fila para deixar os locais bombardeados em busca de abrigo.

    Este foi o maior ataque de um Estado contra outro na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.