Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em Xangai, Dilma tem primeiro dia como presidente do banco dos Brics

    Ex-presidente foi recebida na sede do banco, onde deve ocorrer uma cerimônia de posse nesta quarta-feira (29)

    Léo Lopesda CNN

    em São Paulo

    A ex-presidente Dilma Rousseff começou, nesta terça-feira (28), seu primeiro dia de mandato como presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, conhecido como “banco dos Brics“.

    Ela foi recebida na sede do banco, em Xangai, a maior cidade da China.

    A expectativa é de que haja uma cerimônia de posse para Dilma nesta quarta-feira (29). O evento deve ser mantido apesar do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ter cancelado sua ida ao país por conta de uma pneumonia.

    Pessoas ligadas ao banco dos Brics afirmaram à correspondente da CNN Priscila Yazbek que a posse de Dilma e a visita de Lula são agendas distintas.

    Se a posse for adiada por tempo indeterminado, porque ainda não se sabe para quando Lula remarcará a viagem, a sinalização pode ser negativa, afinal só restam dois anos de mandato do Brasil à frente da instituição.

    Dilma foi eleita presidente do banco dos Brics na última sexta-feira (24).

    A instituição financeira foi criada em 2014 pelos Brics – bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

    O conselho de governadores do banco, formado pelos ministros da Fazenda dos países fundadores do NDB, mais os representantes dos quatro novos integrantes (Bangladesh, Emirados Árabes Unidos, Egito e Uruguai), se reuniram por videoconferência para votar a indicação de Dilma.

    A petista foi sabatinada pelas autoridades estrangeiras ao longo deste mês, depois que o NDB comunicou o início da troca de comando. Ela substituirá o diplomata e economista Marcos Troyjo, ex-integrante da equipe do ex-ministro da Economia Paulo Guedes

    Indicada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma era candidata única. Ela ficará no cargo para completar o mandato brasileiro, até julho de 2025.

    A eleição de Dilma para o Banco dos Brics marca o retorno da petista a um cargo público, sete anos após ela ter sido afastada da Presidência da República, em agosto de 2016.