Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-ministro de Temer é nome mais cotado para relatoria da âncora fiscal

    Nova âncora fiscal substituirá teto dos gastos públicos

    Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), teria prometido a Mendonça a relatoria da proposta de novo marco fiscal a ser enviada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT)
    Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), teria prometido a Mendonça a relatoria da proposta de novo marco fiscal a ser enviada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) GettyImages

    Gabriel Hirabahasida CNN

    em Brasília

    Nos corredores do Congresso Nacional, um nome já desponta como favorito para liderar as discussões envolvendo a nova âncora fiscal, que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) promete enviar em abril ao Legislativo: o do deputado federal Mendonça Filho (União Brasil-PE).

    A CNN apurou que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), teria prometido a Mendonça a relatoria da proposta de novo marco fiscal a ser enviada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

    O texto será uma das principais propostas de interesse do Planalto neste primeiro ano de governo e terá um grande destaque nos próximos meses. A nova âncora fiscal substituirá o teto dos gastos públicos.

    A possível escolha de Mendonça Filho para o posto de relator da proposta indica um caminho mais difícil para o governo na tramitação. Mendonça é um dos deputados do União Brasil que defendem uma posição distante do partido do governo Lula –seja de independência ou oposição. Ex-integrante do PFL e do Democratas, Mendonça Filho foi ministro da Educação durante o governo de Michel Temer.

    A CNN apurou que Mendonça considera o ministro Fernando Haddad como uma das vozes ponderadas dentro do governo. Como ex-ministros da Educação, os dois já dialogaram no passado sobre políticas públicas.

    Procurado pela CNN, o deputado Mendonça Filho afirmou que esse é um assunto que cabe apenas a Arthur Lira. A CNN procurou o presidente, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.