Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fim dos Juros sobre Capital Próprio é “passo para trás”, diz ex-secretário que implementou modelo no Brasil à CNN

    Governo Lula apresentou no final de agosto proposta que veda, a partir de 2024, a dedução do JCP da base de cálculo de IRPJ e CSLL; com isso, põe fim às vantagens do modelo

    O ex-secretário da Receita Federal, Everardo Maciel
    O ex-secretário da Receita Federal, Everardo Maciel Pedro França/Agência Senado

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    Ex-secretário da Receita Federal, Everardo Maciel afirmou em entrevista à CNN que a proposta do Ministério da Fazenda para acabar com os Juros sobre Capital Próprio (JCP) é um “passo para trás”.

    Ele ajudou a implementar o modelo no Brasil nos anos 1990, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

    Segundo o ex-secretário, os JCP incentivam investimentos e evitam “planejamento tributário abusivo” — que configuram manobras feitas por contribuintes para escapar do leão da Receita.

    “Os JCP, junto a outras mudanças no IRPJ [Imposto de Renda de Pessoa Jurídica], produziram resultados arrecadatórios. A arrecadação do IRPJ, entre 1996 e 2002, teve crescimento real de 117%. A participação do IRPJ no PIB teve aumento de 50%”, explica.

    “E os contribuintes gostaram, o que é inacreditável. É bom para o contribuinte e para o Fisco”.

    Ele destaca ainda que, em 2022, a Comissão da União Europeia regulamentou os JCP.

    “Justamente quando o mundo adota a solução brasileira, damos um passo para trás”, indica.

    O governo Lula apresentou no final de agosto a proposta que veda a dedução dos JCP da base de cálculo de IRPJ e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). Com isso, põe fim às vantagens do modelo.

    Os JCP

    Uma reforma tributária feita pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, em 1996, implementou o modelo de remuneração de investimentos atual, com a possibilidade de empresas pagarem sócios e acionistas por meio de JCP ou dividendos.

    Com pagamento de dividendos, não há imposto algum. Já com JCP, o investidor paga 15% em Imposto de Renda (IR).

    As empresas gostam de remunerar com JCP para deduzir impostos: como os juros são considerados um tipo de despesa, pagá-los reduz o lucro final e, com isso, também o IR a ser pago.

    Segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, empresas usam essa característica para “transformar artificialmente” lucros em JCP, e assim pagar menos impostos.

    Fernando Haddad defende o fim dos JCP para impedir que haja manobras para fugir do leão da Receita / 31/08/2023 REUTERS/Adriano Machado

    Maciel diz que introduzir os JCP tinha também como objetivo dar uma nova possibilidade de dedução de imposto às empresas, em um momento em que a carga estava subindo, e, ao mesmo tempo, estimular investidores a colocarem mais dinheiro nelas.

    A remuneração de acionistas

    Na maior parte do mundo, o Imposto de Renda corporativo é recolhido em duas frentes: no lucro total apurado, ainda dentro da empresa, e no pedaço desse lucro distribuído aos donos, sócios e investidores, que é o dividendo.

    Os Juros sobre Capital Próprio são uma mistura entre o dividendo e os juros financeiros, pagos aos bancos e credores nos empréstimos.

    Como os juros financeiros, os JCP também são contabilizados como despesa e deduzem imposto. A diferença é que são pagos para quem investe na empresa, e não para quem empresta — por isso “sobre o capital” —, e sem a necessidade de devolver o valor aportado.

    É por isso que eles ajudam a atrair investimentos e, caso deixem de existir, na opinião de Maciel, vão levar as empresas a recorrer mais a empréstimos para levantar dinheiro.

    Veja também: Vendas do varejo crescem 0,7% em julho, mostra IBGE