Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hong Kong busca fazer negócios com a Arábia Saudita; entenda motivo

    Cidade semiautônoma busca atrair investimentos e capital saudita

    Autoridades de Hong Kong receberam elite saudita pela primeira vez para evento de dois dias
    Autoridades de Hong Kong receberam elite saudita pela primeira vez para evento de dois dias Getty Images

    Michelle Tohda CNN

    Hong Kong

    Pela primeira vez, o líder de Hong Kong deu as boas-vindas às elites da Arábia Saudita na cidade para uma conferência de investimento, em um movimento de aproximação com potenciais parceiros comerciais para enfrentar uma economia em recessão e a incerteza geopolítica.

    No discurso de abertura na quinta-feira (7), o Chefe do Executivo de Hong Kong, John Lee, classificou a reunião como “mais um passo significativo no aprofundamento dos laços entre Hong Kong e o Oriente Médio, particularmente o Reino da Arábia Saudita”.

    O evento de dois dias foi organizado pelo governo de Hong Kong, pela sua bolsa de valores e pelo Instituto Future Investment Initiative (FII) — uma organização sem fins lucrativos fundada pelo Fundo de Investimento Público (PIF, na sigla em inglês), o fundo soberano da Arábia Saudita.

    O instituto organiza um evento anual em Riad chamado “Davos no Deserto”.

    Hong Kong cortejou a Arábia Saudita para obter mais negócios este ano, enquanto trabalha para se proteger contra as tensões Estados Unidos-China, que levaram a um risco maior de as empresas ocidentais reduzirem as suas operações na cidade chinesa semiautônoma, disse Willy Lam, alto executivo da China e membro da Jamestown Foundation, um think tank dos EUA.

    Segundo Lam, “a Arábia Saudita pode ser um grande prêmio para Hong Kong”, dada a dimensão da sua economia e sua proximidade com a China. Em 2022, os dois países assinaram um acordo de parceria estratégica.

    George Chan, líder global de IPO da EY com sede em Xangai, também disse que o encontro era uma forma de Hong Kong avançar no seu objetivo de “diversificar” as suas parcerias econômicas no meio de desafios globais complexos.

    “Além disso, à medida que a geopolítica leva os países do Oriente Médio a diversificarem os investimentos, Hong Kong é um destino ideal dada a sua força na ligação entre a China continental, a Ásia e os fluxos globais de capital”, disse ele à CNN.

    Queda do mercado

    As autoridades de Hong Kong têm boas razões para buscar uma rede mais ampla de apoio. Diante de uma desaceleração global, a cidade sofre uma seca de ofertas públicas iniciais (IPOs).

    O seu mercado de IPO está atualmente no meio do seu pior ano desde 2003, de acordo com o fornecedor de dados Dealogic, com pouco menos de US$ 4,6 bilhões (R$ 22,52 bilhões) em receitas angariadas no início de dezembro.

    O governo está trabalhando para mudar isso. Em fevereiro, Lee viajou para Riade, onde se encontrou com o CEO da petrolífera estatal Saudi Aramco, a terceira empresa mais valiosa do mundo, e apresentou a ideia de uma listagem em Hong Kong, segundo um comunicado do governo.

    A Aramco abriu o capital em Riade em 2019, naquele que foi então o maior IPO de todos os tempos.

    Chan disse que “uma oferta de grande sucesso da Aramco poderia desencadear um novo despertar do IPO em Hong Kong, posicionando a cidade como a porta de entrada preferida entre os titãs do Oriente Médio e as ambições asiáticas a longo prazo”.

    O governador do PIF e presidente do FII Institute, Yasir Al-Rumayyan, que também atua como presidente da Aramco, não mencionou a perspectiva de uma listagem secundária na quinta-feira.

    Questionada sobre o assunto durante uma entrevista à CNN, na quinta-feira, Laura Cha, presidente da bolsa de valores de Hong Kong, disse que não poderia comentar sobre empresas individuais, embora “temos um pipeline saudável”.

    A bolsa de Hong Kong tornou mais fácil a realização de tal listagem. Em setembro, Hong Kong adicionou a bolsa de valores saudita à sua lista de bolsas reconhecidas, permitindo que as empresas listadas na Arábia Saudita solicitassem uma cotação secundária na cidade.

    Na semana passada, Hong Kong também introduziu o que foi anunciado como o primeiro fundo negociado em bolsa (ETF) da Ásia para acompanhar as ações da Arábia Saudita, permitindo aos investidores comprar facilmente ações das maiores empresas cotadas do país do Golfo.

    Veja também: Brasil importou US$ 5,3 bilhões da Arábia Saudita em 2022

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original