Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aproximação entre China e Arábia Saudita preocupa Estados Unidos

    Em março, Pequim mediou um acordo histórico entre os arqui-inimigos Irã e Arábia Saudita que poderia ajudar a aliviar significativamente as tensões no Oriente Médio

    Mohammed Bin Salman e Xi Jinping
    Mohammed Bin Salman e Xi Jinping Reprodução

    Nadeen Ebrahimda CNN

    Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos

    A Arábia Saudita se aproximou de ingressar em um bloco econômico e de segurança asiático liderado pela China, tendo recebido o status de país parceiro de diálogo na Organização de Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês), à medida que expande seu alcance global.

    Um clube formado principalmente por ex-estados soviéticos, o SCO inclui Rússia e China, além de outros grandes atores econômicos, como Índia e Paquistão. O reino poderia eventualmente receber adesão plena.

    O crescente papel da China no Oriente Médio ultimamente tem alarmado Washington. Somente em março, Pequim mediou um acordo histórico entre os arqui-inimigos Irã e Arábia Saudita que poderia ajudar a aliviar significativamente as tensões no Oriente Médio.

    A Arábia Saudita também fortaleceu significativamente seus laços de energia com a China ao anunciar na segunda-feira (27) um acordo de US$ 3,6 bilhões para comprar 10% da Rongsheng Petrochemical da China, que forneceria 480 mil barris por dia de petróleo bruto para a empresa.

    Analistas dizem que, à medida que a rivalidade dos Estados Unidos com a China e a Rússia se intensifica em um mundo cada vez mais polarizado, a Arábia Saudita e outras nações do Oriente Médio estão optando por diversificar suas parcerias globais.

    Mas enquanto estados como a Arábia Saudita podem estar se aproximando da China, Pequim está longe de se tornar um rival dos EUA na região, dizem eles.

    “A tradicional relação monogâmica com os EUA acabou”, disse Ali Shihabi, analista e escritor saudita. “E nós entramos em um relacionamento mais aberto; forte com os EUA, mas igualmente forte com a China, Índia, [o] Reino Unido, França e outros”.

    Essa polarização é a razão pela qual diferentes partes “trazem diferentes formas de influência para a mesa”, disse ele à CNN. “O mais inteligente para o reino é estabelecer um portfólio de relações estratégicas que contribuam para sua segurança e prosperidade de maneiras diferentes”.

    A embaixadora do reino nos Estados Unidos, a princesa Reema bint Bandar Al Saud, disse a Becky Anderson, da CNN, em outubro, que uma revisão do relacionamento EUA-Arábia Saudita era “uma coisa positiva”.

    “Este reino não é o reino de cinco anos atrás, não é o reino de dez anos atrás. Então, todas as análises que existiam não são mais relevantes”, disse ela, ressaltando, no entanto, que a aliança com os EUA foi ampla e robusta.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, se reúnem em Jeddah / 15/07/2022 Bandar Algaloud/Cortesia da Corte Real Saudita/Divulgação via REUTERS

    Falando à Becky Anderson na quinta-feira (30), Vali Nasr, professor de estudos do Oriente Médio e assuntos internacionais na Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins, disse que os EUA precisam repensar sua política para o Oriente Médio “porque tem sido baseada em uma concepção muito diferente de Arábia Saudita”.

    Analistas, no entanto, dizem que é improvável que o Oriente Médio se torne uma arena para a rivalidade EUA-China, dado o foco econômico de Pequim e sua aversão a fazer política regional. Portanto, é improvável que a relação Arábia-China se torne uma aliança completa.

    A Arábia Saudita é o maior fornecedor de petróleo da China, e a China é o maior destino das exportações sauditas de petróleo. A economia do reino, no entanto, está ligada aos EUA, pois sua moeda está atrelada ao dólar e a venda de seu petróleo é realizada nessa moeda. A infraestrutura de defesa da Arábia Saudita também depende fortemente de equipamentos americanos.

    Jonathan Fulton, membro sênior não residente do Atlantic Council, diz que a China tem uma política estrita de não aliança e é improvável que queira se atolar em conflitos no Oriente Médio.

    “Um aliado é normalmente alguém com quem você está alinhado contra um terceiro país ou um bloco de terceiros países […] e a China não quer fazer isso”, disse ele à CNN. “Eles não querem se envolver em questões de outros países, especialmente no Oriente Médio”.

    Ao contrário dos estados ocidentais, a China também oferece à Arábia Saudita sua política de não interferência nos assuntos internos uns dos outros, uma questão que foi claramente enunciada quando o presidente chinês, Xi Jinping, fez uma visita histórica a Riad no ano passado.

    Presidente da China, Xi Jinping, assina documento durante visita a Riad, na Arábia Saudita / 08/12/2022 Bandar Algaloud/Cortesia da Corte Real Saudita/Divulgação via REUTERS

    Fulton disse que é improvável que os dois interfiram nos assuntos um do outro principalmente porque “nenhum dos lados importa tanto para o outro” e que os interesses centrais de cada estado estão além do escopo das prioridades do outro.

    Isso pode funcionar bem para a Arábia Saudita, que tem recebido uma enxurrada de críticas do governo Biden e do Congresso por seu histórico de direitos humanos.

    Para a China, isso significa que a Arábia Saudita continuará em silêncio sobre questões como o tratamento dado aos uigures e outras minorias muçulmanas na região noroeste de Xinjiang, que os EUA em 2021 rotularam de “genocídio”.

    Depois que o acordo surpresa entre Arábia Saudita e Irã foi anunciado mês passado, o governo Biden pareceu subestimar o papel da China.

    O porta-voz da Casa Branca, John Kirby, disse que a pressão interna e externa, incluindo a dissuasão saudita eficaz contra ataques do Irã ou de seus representantes, acabou levando o Irã à mesa, informou a Reuters. Mas ele o acolheu “independentemente de qual fosse o ímpeto ou de quem se sentasse à mesa”.

    Fulton disse que a mediação da China não é necessariamente uma mudança em sua política para o Oriente Médio. Foi uma “abordagem regional para um problema regional”, disse ele, o qual os atores regionais viam os EUA incapazes de resolver.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original