Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Inflação nos EUA desacelera em junho, mesmo com pausa na alta dos juros pelo Fed; entenda

    Antes de sua próxima reunião, Banco Central dos Estados Unidos tenta descobrir quantos aumentos de juros serão necessários para aproximar a inflação da meta, mas dados positivos podem abrir espaço para mais pausas

    Elisabeth Buchwaldda CNN

    A inflação nos Estados Unidos esfriou pelo 12º mês consecutivo em junho, passando de 4% para 3% em maio, de acordo com os últimos dados do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Departamento do Trabalho.

    No entanto, o relatório de inflação do mês passado foi atípico – pela primeira vez, os declínios não foram imediatamente precedidos por um aumento de taxa do Federal Reserve.

    Em vez disso, pela primeira vez em mais de um ano, o banco central disse que manteria as taxas de juros estáveis ​​para saber mais sobre como seu aumento acumulado de cinco pontos percentuais desde março afetou a economia.

    Mas enquanto o CPI esfriou, o indicador de inflação preferido do Fed, o Índice de Preços para Despesas com Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês), mostra que a inflação ainda é o dobro de sua meta de 2%.

    Portanto, antes de sua próxima reunião, em 25 e 26 de julho, o Fed está tentando descobrir quantos aumentos de juros serão necessários para aproximar a inflação dessa meta. Dado o progresso feito em junho, seriam necessários mais aumentos?

    Um mês não dita uma tendência

    O presidente do Fed, Jerome Powell, disse várias vezes: os dados de um mês não indicam uma tendência.

    “É difícil extrair qualquer tendência a partir de dados de um mês”, disse Kermit Schoenholtz, professor emérito da Universidade de Nova York e ex-economista-chefe do Citigroup.

    No extremo, disse ele, seria como usar uma hora de dados econômicos para fazer suposições abrangentes sobre o estado da economia.

    Fed deve continuar a aumentar as taxas?

    Powell enfatiza repetidamente que o Fed adota uma abordagem dependente de dados para decisões sobre taxas de juros.

    “Eles agora têm em mãos evidências de uma desaceleração do mercado de trabalho, uma queda nos preços dos bens excluindo alimentos e energia, preços praticamente inalterados em uma importante categoria de serviços e fortes evidências de queda da inflação de abrigos no horizonte”, disse Wendy Edelberg, diretora do Projeto Hamilton na Brookings Institution.

    “Acho que pode ser feito um excelente argumento para se manter firme novamente na próxima reunião”, disse ela à CNN.

    Autoridades do Fed, no entanto, sinalizaram que provavelmente aumentarão as taxas em um quarto de ponto em sua próxima reunião. Mas a questão iminente é o que o Fed deve fazer no resto do ano.

    Na visão de Schoenholtz, o Fed deve continuar a aumentar as taxas de juros, mesmo com a inflação desacelerando acentuadamente em junho, apesar do banco central manter as taxas estáveis.

    O Fed precisa que as pessoas acreditem que isso significa negócios quando se trata de sua meta de 2%, disse ele. Caso contrário, as pessoas esperarão níveis mais altos de inflação e as empresas continuarão a definir os preços de acordo.

    Se o Fed esperar muito para aumentar as taxas de juros, poderá arriscar sua credibilidade, levando a um nível de preços persistentemente mais alto que é mais difícil para o Fed reprimir.

    Os aumentos agressivos de juros do banco central estão fazendo com que os preços se estabilizem, acrescentou. “[Funcionários do Fed] não querem sacrificar o que ganharam.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original