Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aneel libera distribuidoras a direcionar recursos para auxiliar RS

    Recursos de programa previstos para 2025 serão antecipados para aplicação em retomada da rede elétrica do estado

    Área alagada de Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul
    Área alagada de Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul 10/04/2024 - REUTERS/Amanda Perobelli

    João Nakamurada CNN São Paulo

    A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) flexibilizou as regras do Programa de Eficiência Energética (PEE) para que distribuidoras possam voltar seus esforços para apoiar a recuperação do Rio Grande do Sul.

    O PEE foi estabelecido em 2000 para promover o uso eficiente de energia elétrica. A Aneel conta com os investimentos das concessionárias de energia para promover projetos voltados ao consumo eficiente e estudar a viabilidade econômica da eficiência energética de equipamentos, processos e usos finais de energia.

    A Aneel autorizou na noite de terça-feira (9) o uso extraordinário dos recursos para revitalização da rede elétrica, mediante solicitação das distribuidoras.

    A medida vem na esteira do estado de calamidade decretado no estado gaúcho após as chuvas que inundaram a região ao longo do mês de maio.

    Os recursos do PEE de 2025 serão antecipados e aplicados no trabalho de revitalização e reformas de instalação, fornecimento de geradores e reposição de eletrodomésticos essenciais, como lâmpadas e geladeiras.

    A Aneel informa que 20 distribuidoras de energia atuam no estado, atendendo cerca de 4,5 milhões de unidades consumidoras.

    A mudança emergencial terá vigência até o dia 31 de dezembro deste ano, durando concomitantemente ao estado de calamidade pública.

    A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) defende a medida, em um cenário no qual tragédias climáticas como a enfrentada pelo estado devem se intensificar.

    “Vivemos uma nova realidade em que eventos climáticos extremos serão cada vez mais frequentes e, como muitos outros setores da economia, precisamos nos adaptar e desenvolver capacidade para darmos respostas mais rápidas à população”, diz o presidente da Abradee, Marcos Madureira.