Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Consumo de energia no país deve aumentar 4,2% em junho na comparação anual, diz ONS

    Região que mais demanda energia, o sudeste/centro-oeste, a projeção é de alta de 3,8%

    Linhas de transmissão de energia
    Linhas de transmissão de energia 22/11/2023 - REUTERS/Kacper Pempel/File Photo

    Wilian Miron, do Estadão Conteúdo

    O consumo de energia no Brasil deve terminar junho em 74.399 megawatts médios (MWmed), aponta o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) no mais recente relatório do Programa Mensal da Operação. O montante é 4,2% maior do que o registrado no mesmo mês de 2023.

    No Sudeste/Centro-Oeste, que responde por mais da metade da carga de energia do país, a projeção é que alcance 41.648 MWmed, alta de 3,8% em relação a junho do ano passado. No Sul, a previsão é de 12.575 MWmed, com crescimento anual de 3,1%.

    Para o Nordeste a estimativa é de que o consumo fique em 12.451 MWmed, elevação de 4,3%, na mesma base de comparação. Já no Norte a perspectiva é de carga em 7.725 MWmed, crescimento de 8,8%.

    Na geração de energia, o ONS estima que a Energia Natural Afluente (ENA) – quantidade de água que chega aos reservatórios para se transformar em energia – fique em 54% da média histórica no Sudeste/Centro-Oeste.

    Caso esse cenário se confirme, o volume armazenado chegará ao final do mês em 67,6% da capacidade.

    No Sul, a estimativa é que a ENA alcance 110% da média, com os níveis de água acumulados nos reservatórios em 81,1% ao final do período.

    A previsão para o Nordeste é que alcance 38% da média, e o armazenamento 67,5%, enquanto na região Norte a perspectiva é que a ENA fique em 54% da média em junho, com os reservatórios das hidrelétricas em 88,6%.

    Em vista deste cenário, o Custo Marginal da Operação (CMO) para a semana de 15 a 21 de junho foi estabelecido em R$ 18,01 por megawatt-hora (MWh).

    O CMO é o custo para se produzir 1 MWh para atender ao Sistema Interligado Nacional (SIN).