Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em recessão, Reino Unido prepara corte de impostos a trabalhadores à medida que eleições se aproximam

    Economistas questionam viabilidade do plano

    Em 2024, o Banco de Inglaterra prevê uma expansão da produção de apenas 0,25%, enquanto o Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento de 0,6%
    Em 2024, o Banco de Inglaterra prevê uma expansão da produção de apenas 0,25%, enquanto o Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento de 0,6% 05/11/2019 - REUTERS/Hannah McKay

    Hanna Ziadyda CNN

    Londres

    O ministro das finanças do Reino Unido, Jeremy Hunt, está prestes a anunciar um corte de impostos para os trabalhadores na quarta-feira (6), quando revelar o que provavelmente será o último orçamento do governo antes das eleições gerais no final deste ano.

    É provável um corte no seguro nacional, – uma taxa paga pelas pessoas que trabalham – que custeia cerca de 10 bilhões de libras (R$ 62,84 bilhões) aos cofres públicos, de acordo com vários relatos da comunicação social do Reino Unido.

    Mas a crescente dívida, a desintegração dos serviços públicos e uma economia sem brilho deixam pouco espaço para manobras orçamentárias.

    A economia do Reino Unido mal cresceu em 2023, entrando em recessão no final do ano, em forte contraste com a promessa do primeiro-ministro Rishi Sunak de gerar crescimento econômico.

    Em 2024, o Banco de Inglaterra prevê uma expansão da produção de apenas 0,25%, enquanto o Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento de 0,6%.

    Apesar deste cenário sombrio, espera-se que Hunt faça uma avaliação otimista das perspectivas econômicas do Reino Unido.

    “Agora podemos ajudar as famílias com cortes permanentes nos impostos”, deverá dizer, segundo um comunicado do Tesouro.

    “Os conservadores sabem que impostos mais baixos significam maior crescimento. E maior crescimento significa mais oportunidades e mais prosperidade.”

    O Partido Conservador de Hunt está atrás do Partido Trabalhista, da oposição, com uma larga margem nas pesquisa eleitorais, dando-lhe todas as razões para revelar cortes de impostos, menores que sejam, numa última tentativa de conquistar eleitores.

    Mas é pouco provável que reduções modestas nos impostos sobre o rendimento ou sobre os salários alterem o fato de a carga fiscal global do país permanecer num nível elevado do pós-guerra ou de os padrões de vida terem caído.

    A produção econômica per capita ainda é inferior à do final de 2019, não tendo recuperado totalmente de uma queda acentuada durante a pandemia, de acordo com o Gabinete de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês).

    Entretanto, a dívida pública do Reino Unido aumentou mais de 40% desde 2020, à medida que o Estado gastava muito para proteger as famílias e as empresas do impacto dos confinamentos da Covid-19 e do aumento dos custos de energia após o início da guerra na Ucrânia.

    No final de janeiro, a dívida do setor público ultrapassou a marca de 2,6 trilhões de libras (R$ 16,34 trilhões), segundo o ONS, um nível não visto desde o início da década de 1960 e quase do mesmo tamanho do Produto Interno Bruto (PIB) anual do país. Com as taxas de juros elevadas, o impacto é ainda maior.

    O custo do serviço dessa pilha crescente de dívidas está desviando quantidades cada vez maiores de dinheiro de serviços públicos vitais, que já foram pressionados pela inflação e por cortes orçamentais anteriores.

    Várias autoridades locais declararam-se recentemente falidas – incluindo a segunda maior cidade do país, Birmingham, que na terça-feira (5) aprovou planos para reduzir os serviços locais e diminuir as luzes das ruas enquanto tenta equilibrar as contas.

    A Associação do Governo Local alertou em dezembro que os conselhos da Inglaterra enfrentam um déficit de financiamento de 4 bilhões de libras (R$ 25,14 bilhões) este ano e no próximo.

    Outras áreas ditas “desprotegidas” do orçamento nacional, como a assistência social e a força policial, também estão em risco. Os gastos com defesa, escolas, Serviço Nacional de Saúde e ajuda externa foram reservados por enquanto.

    Os atuais planos do governo para a despesa pública parecem “implausíveis”, escreveram economistas da Capital Economics numa nota no mês passado, apontando para cortes consideráveis ​​nas despesas desprotegidas previstas a partir do próximo ano.

    “Isso parece improvável quando os serviços públicos estão em ruínas”, acrescentaram. “Quem quer que ganhe as eleições terá provavelmente de admitir que tanto os impostos como as despesas terão de ser aumentados.”

    A Capital Economics não está sozinha ao sugerir que o governo agiu de forma precipitada e desmedida ao falar sobre os seus planos de gastos. O seu próprio órgão de fiscalização fiscal, o Gabinete de Responsabilidade Orçamental (OBR, na sigla em inglês), defendeu recentemente uma posição semelhante.

    O presidente do OBR, Richard Hughes, disse em janeiro que o governo não forneceu nenhum detalhamento dos planos de gastos departamentais além de março do próximo ano, fornecendo apenas números principais.

    “Algumas pessoas se referiram a isso como uma obra de ficção”, disse Hughes.

    “Isso é provavelmente generoso, dado que alguém se preocupou em escrever uma obra de ficção, enquanto o governo nem sequer se preocupou em escrever os seus planos de gastos departamentais que sustentam os seus planos para os serviços públicos”, acrescentou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original