Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ozempic e Wegovy podem impulsionar em poucos anos economia dos EUA em US$ 1 tri, prevê Goldman Sachs

    Medicamentos de diabete usados para perder peso ficaram populares, mais caros e com produção em crescimento

    Isso seria um impulso considerável para a economia, mas a verdadeira extensão do impacto também depende da escala de produção e da conformidade com os planos de tratamento
    Isso seria um impulso considerável para a economia, mas a verdadeira extensão do impacto também depende da escala de produção e da conformidade com os planos de tratamento Florian Gaertner/Photothek via Getty Images

    Bryan Menada CNN Washington

    A economia dos EUA deve colher benefícios consideráveis do uso de medicamentos populares pelos americanos para perda de peso, incluindo o Ozempic e o Wegovy, escreveram analistas do Goldman Sachs em um relatório de pesquisa recente.

    Esses medicamentos fazem parte de uma nova e poderosa classe de fármacos que tomou o mundo de surpresa, conhecida como agonistas do receptor do peptídeo 1, semelhante ao glucagon ou GLP-1.

    Originalmente desenvolvidos para tratar a diabete tipo 2, eles provaram ser altamente eficazes para auxiliar as pessoas a perder peso em testes clínicos.

    O Ozempic não foi aprovado para perda de peso pelos órgãos reguladores, embora o Wegovy, um medicamento semelhante, tenha sido.

    O Goldman Sachs argumenta que, como a saúde debilitada pesa inequivocamente sobre a economia, a melhoria dos resultados devido aos GLP-1s poderia reduzir os custos e aumentar a produtividade, sustentando a produção econômica.

    O banco de Wall Street estima que os GLP-1s poderiam acrescentar 0,4% ao Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, uma medida ampla de todos os bens e serviços produzidos na economia, “em um cenário de base em que 30 milhões de usuários tomam os medicamentos e 70% sentem os benefícios”, e até 1% se 60 milhões de americanos tomarem esses medicamentos regularmente.

    A economia dos EUA em geral foi de cerca de US$ 28 trilhões no quarto trimestre, portanto, se a hipótese de alta do Goldman se confirmar, isso significa que esses medicamentos sozinhos poderiam aumentar a produção em US$ 1 trilhão nos próximos quatro anos, mais ou menos.

    Isso seria um impulso considerável para a economia, mas a verdadeira extensão do impacto também depende da escala de produção e da conformidade com os planos de tratamento, de acordo com o relatório, que também examinou os possíveis efeitos da descoberta de medicamentos impulsionada pela inteligência artificial e pelos avanços na edição de genes.

    “Consideramos a atual onda de inovação na área da saúde como uma história macro (além de humana e micro) promissora, com potencial para gerar um aumento econômico significativo em uma série de cenários prováveis”, escreveram os analistas.

    O impacto econômico da saúde prejudicada

    A saúde precária tem impactos negativos claros sobre os americanos no mercado de trabalho, como manter alguns trabalhadores à margem e reduzir o número de horas trabalhadas, de acordo com pesquisas de longa data.

    Com base em uma combinação de “perdas atuais em horas trabalhadas e participação na força de trabalho devido a doenças e incapacidades, mortes prematuras e cuidados informais”, a saúde precária reduz a produção econômica dos EUA em cerca de 10% ao ano, estimaram os analistas do Goldman Sachs.

    A obesidade e as complicações relacionadas contribuem para as restrições na oferta de trabalho nos Estados Unidos. As estatísticas do governo mostram que mais de um terço dos americanos está acima do peso, e mais de 42% são obesos.

    Outra pesquisa mostra que quase metade dos adultos norte-americanos afirmou ter tentado perder peso no último ano.

    O relatório do Goldman Sachs observou que “estudos acadêmicos constatam que indivíduos obesos têm menos probabilidade de trabalhar e são menos produtivos quando o fazem”.

    “Essas estimativas sugerem um aumento significativo na produção econômica se a recente onda de inovação na área da saúde levar a uma melhoria nos resultados de saúde que reduza o ônus econômico da saúde precária”, escreveram os analistas.

    Melhor oferta, mas custos mais altos

    Os GLP-1s se tornaram tão populares que as empresas farmacêuticas foram forçadas a aumentar a oferta na tentativa de acompanhar a demanda. A Novo Nordisk e a Eli Lilly, que tem seu próprio medicamento GLP-1 para diabete, o Mounjaro, investiram bilhões de dólares para expandir a capacidade.

    Para alguns americanos que são obesos, mas não têm diabete, obter esses medicamentos tornou-se difícil, se não impossível. Isso é o que afirma Jody Dushay, endocrinologista do Beth Israel Deaconess Medical Center, em um recente artigo de opinião para a CNN.

    A Novo Nordisk, que fabrica o Wegovy, disse recentemente que começou a aumentar a disponibilidade do medicamento para os americanos “mais do que dobrando a quantidade das dosagens mais baixas do Wegovy em comparação com os meses anteriores”, disse Doug Langa, chefe de operações da empresa na América do Norte, em uma ligação com analistas no início deste mês.

    Os medicamentos também são conhecidos por serem caros, e recentemente os preços subiram ainda mais. A Novo Nordisk aumentou o valor de tabela do Ozempic em 3,5%, para US$ 969, para um suprimento de quatro semanas em janeiro.

    Enquanto a Eli Lilly, no mês passado, aumentou o preço do Mounjaro em 4,5%, para US$ 1.069, para um suprimento de quatro semanas, segundo a 46brooklyn, uma empresa sem fins lucrativos de análise de preços de medicamentos.

    O preço final que os americanos pagam pelos medicamentos depende de suas apólices de seguro de saúde, não dos preços de tabela dos fabricantes de medicamentos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original