Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PIB per capita pode voltar ao nível pré-pandemia só em 2024, calcula FGV

    Levantamento aponta que PIB per capita só atingirá maior valor, de 2013, em 2029

    PIB per capita indica nível de renda em um país
    PIB per capita indica nível de renda em um país Getty Images

    João Pedro Malardo CNN Brasil Business em São Paulo

    O crescimento de 4,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 superou expectativas do mercado, mas não foi o suficiente para retornar o PIB per capita ao valor anterior à pandemia, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV.

    O PIB per capita é obtido a partir da divisão do resultado nominal do ano pelo total da população do país, servindo como uma forma de medir o nível de renda da população.

    Em 2021, o indicador foi de R$ 40.688, registrando uma alta de 3,9% em relação a 2020, quando os efeitos da pandemia geraram um recuo de 4,6%.

    Com o resultado, o PIB per capita superou os anos de 2017 e 2018, mas não o de 2019, imediatamente anterior à pandemia.

    Silvia Matos, autora do levantamento e coordenadora do Boletim de Macroeconomia do Ibre/FGV, projeta um crescimento do PIB em 2022 de 0,6%, e em 2023, de 1,1%.

    Caso as projeções se confirmem, o PIB per capita não apenas não cresceria, como corre o risco de recuar 0,1% neste ano. Já em 2023, o resultado levaria a uma leve alta de 0,4%.

     

    Combinando as duas altas, o PIB per capita ainda não chegaria ao patamar pré-pandemia daqui a dois anos, e só superaria o valor de 2019 em 2024, com projeção de crescimento a cada ano em torno de 2% do PIB e 1,5% do per capita, o que Matos considera “um cenário otimista, mas possível”.

    Vale ressaltar que, para 2023, há o risco de o crescimento da economia ser ainda menor, devido à “inflação, política monetária e não sabermos quem será o novo governo”. Em 2022, a expectativa já é de estagnação com um cenário de inflação e juros altos, com possível piora pela guerra na Ucrânia.

    O valor em 2024 ainda ficaria distante do recorde registrado em 2013, quando o PIB per capita foi de R$ 44.097 considerando os valores de 2021. Pelas projeções de Matos, esse valor só seria superado em 2029, ainda considerando um crescimento de 1,5% a cada ano a partir de 2024.

    Para a economista, a possibilidade de retornar ao valor de 2013 ainda no próximo governo, com mandato iniciando em 2023 e encerrando em janeiro de 2027, é “quase impossível”.

    A dificuldade está ligada a uma década ruim para o PIB per capita entre 2011 e 2020, quando houve um recuo médio de 0,6% ao ano decorrente das crises econômicas em 2015 e 2020. Foi apenas a segunda década com recuo médio por ano desde a de 1901. Com a base baixa, a recuperação fica mais difícil.

    A níveis percentuais, a maior perda foi em 2020, com a pandemia, seguido do recuo de 4,4% no PIB per capita em 2015 e da queda de  4,1% em 2016. A maior alta percentual foi em 2010, quando o indicador subiu 6,5%.

    Com informações de Juliana Elias, do CNN Brasil Business