Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    infraestrutura

    Plano de Ferrovias terá R$ 20 bi com recursos de renegociação de contratos, diz ministro

    Dinheiro seria usado como aporte em PPPs; plano deve ser lançado neste semestre

    Ministério da Infraestrutura

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    O Plano Nacional de Ferrovias do governo Lula deve somar mais de R$ 20 bilhões, com recursos que terão origem em repactuações contratuais de renovações antecipadas de concessões. A informação foi confirmada pelo ministro dos Transportes, Renan Filho, a jornalistas na sede da B3, em São Paulo, nesta quinta-feira (11).

    Este dinheiro seria utilizado como aporte do governo em parcerias público-privadas (PPPs). Assim, leilões seriam realizados em formato no qual a empresa que oferecer o maior desconto ao gasto público leva o ativo.

    A maior parte dos recursos deve vir de repactuação de contratos com a Vale. O ministério cobra a empresa por valor abatido nas renovações antecipadas de ferrovias em Carajás (R$ 21,1 bilhões) e em Vitórias-Minas (R$ 4,6 bilhões).

    De acordo com Renan Filho, a mineradora já apresentou uma proposta ao governo, e o acordo poder ser fechado em breve.

    Renan Filho, ministro dos Transportes
    Renan Filho, ministro dos Transportes / economia Dólar opera acima de R$ 5,10 enquanto dados de inflação puxam pessimismo sobre Fed https://www.cnnbrasil.com.br/economia/macroeconomia/mercados-dolar-ibovespa-hoje-12-de-abril/

    Recentemente, o governo firmou acordo com a Rumo para repactuação da renovação da concessão da Malha Paulista, com previsão de pagamento de R$ 1,5 bilhão — valor que será utilizado no Plano de Ferrovias.

    A gestão federal também cobra R$ 3,7 bilhões da companhia MRS Logística, que opera ferrovias em Minas Gerais. A pasta admite ouvir as concessionárias e negociar os valores cobrados.

    As renovações antecipadas de concessão foram fechadas durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e na visão do governo Lula fizeram descontos equivocados no valor de outorga.

    Outra frente é a renovação antecipada da concessão da Ferrovia Centro Atlântica (FCA), pela VLI. O ministro indicou que o governo deve publicar uma portaria em breve com novas regras para renovações antecipadas.

    A partir disso, a VLI poderá negociar sua renovação — ou o ativo seria leiloado a outra companhia. Caso a antecipação gere outorga, os cofres públicos serão abastecidos, indicou Renan Filho.

    Questionado por jornalistas, o ministro preferiu não cravar a data do lançamento do plano. Indicou, porém, que deve acontecer ainda neste semestre e pediu que a B3 receba o evento.

    Sobre os projetos a serem contemplados, também não adiantou detalhes, mas indicou que é interesse dos Transportes que a Ferrogrão — cujo projeto liga o Mato Grosso ao Pará — seja incluída.

    Também fazem parte dos interesses do ministério a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico) e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), com elevado potencial para escoar a produção do agro para o litoral.