Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preços do gás natural sobem à medida que crise energética da Europa se agrava

    desde junho, a Gazprom cortou os fluxos ao longo do Nord Stream 1 para apenas 20% de sua capacidade, citando problemas de manutenção e uma disputa sobre uma turbina desaparecida

    Anna Coobando CNN Business

    em Londres

    A crise energética da Europa está se aprofundando à medida que a Rússia limita ainda mais as exportações de gás natural, forçando os governos a gastar bilhões para proteger empresas e consumidores de contas crescentes à medida que a região desliza para a recessão.

    Os preços de referência do gás natural europeu subiram 28% na manhã de segunda-feira (5), atingindo 274 euros (US$ 272) por megawatt-hora – o primeiro dia de negociação depois que a gigante russa de energia Gazprom interrompeu os fluxos através do oleoduto Nord Stream 1 indefinidamente, alegando ter encontrado um vazamento de óleo em uma turbina.

    No ano passado, o gasoduto entregou cerca de 35% das importações totais de gás russo da Europa.

    Mas desde junho, a Gazprom cortou os fluxos ao longo do Nord Stream 1 para apenas 20% de sua capacidade, citando problemas de manutenção e uma disputa sobre uma turbina desaparecida, apanhada em sanções de exportação ocidentais.

    A decisão de Moscou de não reabrir o gasoduto no sábado despertou preocupações de que a União Europeia poderia ficar sem gás neste inverno, apesar de um esforço bem-sucedido para encher os tanques de armazenamento.

    Temores semelhantes no Reino Unido fizeram os contratos futuros de gás natural no atacado subirem mais de um terço na segunda-feira.

    As notícias do fechamento indefinido do oleoduto na sexta-feira fizeram com que o euro caísse abaixo de US$ 0,99 na segunda-feira — seu nível mais baixo em 20 anos.

    A libra atingiu US$ 1,14, seu menor valor desde 1985, com os comerciantes preocupados com o preço que uma escassez de energia potencialmente drástica poderia ter sobre a atividade econômica regional e os orçamentos governamentais.

    Alguns países estão se preparando para gastar muito para tentar limitar a dor.

    No domingo, o governo alemão anunciou um pacote de ajuda de 65 bilhões de euros (US$ 64 bilhões) para ajudar famílias e empresas a lidar com a alta da inflação.

    A Alemanha, a maior economia da Europa, depende particularmente das exportações de gás da Rússia para abastecer suas casas e indústrias pesadas.

    Juntamente com as medidas anteriores, isso eleva o valor total do apoio do governo para 95 bilhões de euros (US$ 64 bilhões), equivalente a cerca de 2,5% do PIB alemão, disse Holger Schmieding, economista-chefe do Berenberg, em nota na segunda-feira.

    Liz Truss, que sucederá Boris Johnson como primeiro-ministro do Reino Unido esta semana, está sob enorme pressão para anunciar mais ajuda para residências e empresas, à medida que as contas de energia disparam.

    Uma torre de transmissão de eletricidade perto de casas residenciais em Upminster, Reino Unido, no dia 4 de julho de 2022.

    A Truss está considerando um pacote de 100 bilhões de libras (US$ 115 bilhões) para ajudar com o aumento do custo de vida, incluindo apoio para pagar contas de energia, de acordo com um relatório do The Sunday Times, que citou fontes não identificadas no departamento financeiro do país.

    Nesse caso, isso excederia o custo do esquema de licença pandêmica do país, no qual o governo subsidiou os salários dos trabalhadores para evitar demissões em massa, em cerca de 30 bilhões de libras (US$ 34 bilhões).

    Preparando para o inverno

    Há meses, a União Europeia vem aumentando suas reservas de energia para os meses mais frios, quando o uso aumenta, pois teme que a Rússia corte ainda mais seu fornecimento de gás.

    Já Moscou parou de enviar gás para vários países europeus “hostis” e empresas de energia por sua recusa em pagar pelo gás em rublos, como insiste o Kremlin, em vez dos euros ou dólares declarados nos contratos.

    O anúncio do Nord Stream 1 de sexta-feira (2) veio poucas horas depois que os países do G7 concordaram em limitar o preço pelo qual a Rússia pode vender seu petróleo em uma tentativa de limitar a receita que o Kremlin está usando para financiar sua guerra na Ucrânia.

    Um porta-voz da Siemens, fabricante alemão da turbina Nord Stream 1 supostamente defeituosa, disse na sexta-feira que um vazamento de óleo não era “uma razão técnica para interromper a operação”.

    “Independentemente disso, já apontamos várias vezes que existem turbinas adicionais suficientes disponíveis na estação de compressão de Portovaya para que o Nord Stream 1 funcione”, disse o porta-voz à CNN Business.

    À medida que o impasse energético se intensificou, os países da UE encheram rapidamente suas instalações de armazenamento de gás.

    As lojas agora estão cheias com 82% de sua capacidade, de acordo com dados da Gas Infrastructure Europe – superando a meta de 80% que as autoridades definiram para os países atingirem antes de novembro.

    “Apesar de um sério risco de escassez de energia, ainda esperamos que a maior parte da Europa passe pela estação fria sem ter que fechar partes significativas da indústria por racionamento em larga escala do suprimento de gás”, disse Schmieding em sua nota.

    Os líderes europeus sabem que precisam fazer mais, no entanto, para evitar dificuldades generalizadas e limitar as consequências de uma recessão.

    Os ministros de energia da UE realizarão uma reunião de emergência na sexta-feira para discutir planos para ajudar a proteger os europeus do pior aumento dos preços da energia.

    As ideias iniciais incluem um mecanismo que dissocia os preços da eletricidade dos preços do gás natural no atacado e uma oferta de crédito emergencial para empresas de energia em risco de falir, de acordo com documentos preliminares vistos pela Reuters.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original