Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prévia da inflação: IPCA-15 sobe 0,44% em maio com alta da gasolina, diz IBGE

    No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,12% e, em 12 meses, de 3,70%, abaixo dos 3,77% observados nos 12 meses imediatamente anteriores

    Pistola de abastecimento em posto de combustíveis, em Brasília
    Pistola de abastecimento em posto de combustíveis, em Brasília Pistola de gasolina em posto de combustíveis, em Brasília07/03/2022REUTERS/Adriano Machado

    Reuters

    Os custos de saúde e da gasolina pesaram e a alta do IPCA-15 acelerou em maio, embora tenha ficado um pouco abaixo do esperado e com a taxa em 12 meses mostrando alívio.

    O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,44% em maio depois de ter avançado 0,21% em abril, contra expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,48%.

    Os dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que, nos 12 meses até maio, o índice passou a acumular uma alta de 3,70%, de 3,77% no mês anterior e expectativa de 3,72%.

    A meta para a inflação em 2024 é de 3,0%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

    Em maio, os dados do IBGE mostram que oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados registraram alta dos preços.

    Saúde e cuidados pessoais tiveram o maior aumento de preços no mês, de 1,07%, sob influência dos produtos farmacêuticos (2,06%) após a autorização do reajuste de até 4,50% nos preços dos medicamentos a partir de 31 de março.

    Já o grupo Transportes apresentou avanço de 0,77% em maio, resultado impactado pelas altas de 1,90% da gasolina e de 6,04%das passagens aéreas. Os combustíveis em geral subiram 2,10%, com altas do etanol (4,70%) e do óleo diesel (0,37%).

    Alimentação e bebidas, com forte peso no bolso dos consumidores, subiu 0,26%, com a alimentação no domicílio em alta de 0,22% em maio e alimentação fora do domicílio subindo 0,37%.

    O Banco Central vem ressaltando a preocupação com a pressão sobre os preços de uma atividade econômica e mercado de trabalho com maior dinamismo do que o esperado. Também destaca as expectativas de inflação desancoradas e medidas de inflação subjacente (que excluem dados mais voláteis) acima da meta.

    O BC reduziu neste mês o ritmo de afrouxamento monetário com um corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros Selic, para 10,50% ao ano, após seis quedas consecutivas de 0,50 ponto na taxa. Também foi abandonada a indicação para passos futuros da política monetária.

    A ata desse encontro mostrou que todos os diretores defenderam uma política monetária mais contracionista, cautelosa e sem indicação futura sobre os juros, apesar da divisão no colegiado sobre a intensidade do corte na Selic.

    A pesquisa Focus divulgada na segunda-feira pelo Banco Central junto ao mercado mostra que a expectativa é de que o IPCA encerre este ano com alta acumulada de 3,86%, com a Selic a 10,0%.

    Rio Grande do Sul

    O IBGE informou ainda que a coleta de preços na modalidade remota foi intensificada na região metropolitana de Porto Alegre, área de abrangência da pesquisa, devido à situação de calamidade pública decretada por conta das enchentes que assolam o Estado. A coleta em modo presencial foi feita quando possível.

    Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 16 de abril a 15 de maio de 2024, sendo que aproximadamente 30% da coleta no Rio Grande do Sul foi realizada durante a situação emergencial de modo remoto, por telefone ou internet, em vez do modo presencial.

    A coleta remota de preços foi intensificada a partir do dia 6 de maio, quando aproximadamente 70% dos preços já tinham sido coletados, de acordo com o IBGE.

    “Ainda assim, nem todos os subitens puderam ser coletados por telefone ou pela internet, como foi o caso de alguns subitens do item hortaliças e verduras”, disse o IBGE.