Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Queda do comércio em julho reflete juros em alta, inflação e endividamento, dizem economistas

    Com queda de 1,4% no mês, setor teve segunda variação negativa consecutiva, acumulando retração de 0,8% em dois meses, na comparação com o bimestre anterior

    Pessoas passam por rua de comércio popular do Rio de Janeiro
    Pessoas passam por rua de comércio popular do Rio de Janeiro Reuters

    Fabrício Juliãodo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    O encarecimento do crédito, a inflação em alta e o endividamento foram os principais responsáveis pela queda nas vendas do comércio em junho, dizem economistas ouvidos pelo CNN Brasil Business.

    O setor registrou vendas menores que o esperado pelo mercado no mês, com queda de 1,4% na passagem de maio para junho, de acordo com o IBGE. Esta é a segunda variação negativa consecutiva do setor, que acumula retração de 0,8% em dois meses, na comparação com o bimestre anterior.

    “O resultado da PMC surpreendeu negativamente, pois era esperada queda de 1%. Já no caso da pesquisa ampliada, a situação foi mais preocupante, com queda de 2,3% na mesma base de comparação”, afirmou Guilherme Sousa, economista da Ativa Investimentos.

    Segundo ele, o desempenho do comércio em sete dos oito principais grupos denota a dificuldade de acesso ao crédito motivado pelo alto endividamento das famílias, além de refletir também parte da antecipação do consumo vivido ao longo dos últimos anos.

    A economista do C6 Bank Claudia Moreno disse que o resultado fraco pode ser reflexo dos efeitos da inflação elevada sobre o poder de compra da população e dos juros altos.

    “A queda no varejo foi generalizada, e afetou praticamente todos os segmentos. No varejo ampliado, o destaque negativo foi o setor de veículos, que registrou queda nas vendas de 4,1% em junho frente a maio, resultado que veio abaixo da nossa projeção (-0,5%)”, destacou.

    Para Rodolpho Tobler, economista do FGV Ibre, a antecipação do consumo este ano ocorre em detrimento da liberação de recursos pelo governo federal, que impulsionaram a economia nos dois primeiros trimestres, mas não podem mais ser utilizados agora no fim do ano.

    “Teve injeção de recurso que favoreceu o comércio até maio, como a liberação do FGTS e o adiantamento do 13%, que não poderá ser retirado no fim do ano. Junto disso, a melhora da economia desde janeiro ajudou a alavancar o consumo até a metade de 2022, mas agora o cenário é outro”, pontuou.

    Na visão do economista, a perspectiva de desaceleração é mantida a médio prazo, ainda que as vendas apresentem crescimento em consequência do novo pacote de auxílios do governo.

    “No segundo semestre pode haver algum estímulo, com a adição de R$ 200 do Auxílio Brasil e isso vai aumentar a demanda, mas a expectativa para o varejo não é das melhores até o final de 2022. Esse resultado mostra uma desaceleração porque, ainda que tenha uma melhora com benefícios sociais, eles são temporários e podem se perder já na virada do ano”, acrescentou Tobler.

    Já o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, salientou que uma transição no consumo das famílias, que tem deixando de consumir itens industrializados (grande parte do varejo) e passado a consumir mais serviços também explica o resultado negativo de junho.

    “Não à toa, a gente tem assistido uma divergência na performance da PMS (serviços) e da PMC (varejo) e na dinâmica dos índices de confiança da FGV, com serviços ainda em alta, enquanto comércio tem recuado na margem”, declarou Borsoi.

    A inflação, apesar de mostrar sinais de arrefecimento, foi citada como um dos principais causadores do recuo de -1,4% das vendas em junho. Ainda assim, os economistas ressaltaram que caso o preço dos alimentos apresente uma trégua no restante do ano, a perspectiva sobre o consumo pode melhorar.

    “Se tivermos uma redução no preço dos alimentos, o consumo de fato deve voltar a patamares melhores porque o recurso extra do Auxílio Brasil vai aumentar o poder de compra da população mais vulnerável, que consome os itens básicos da alimentação”, apontou Rodolpho Tobler.

    “A tendência de arrefecimento da inflação pode ajudar o setor de varejo, mas o nível de queda é que temos que observar”, ponderou.