Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Setor global de bancos sofre pior semana desde 2008; veja o que esperar

    Relativa calma no mercado financeiro só foi restaurada graças ao fornecimento de grandes somas de dinheiro emergencial de bancos centrais e alguns dos players mais fortes do setor

    Os US$ 318 bilhões que o Fed emprestou no total ao sistema financeiro é cerca de metade do que foi concedido durante a crise financeira global
    Os US$ 318 bilhões que o Fed emprestou no total ao sistema financeiro é cerca de metade do que foi concedido durante a crise financeira global Pexels

    Mark Thompsonda CNN

    Londres

    Na sexta-feira (10), a maior falência de um banco dos EUA desde a crise financeira global estava se desenrolando em tempo real, quando um grande credor da indústria de tecnologia sucumbiu a uma corrida bancária clássica.

    Os clientes do Silicon Valley Bank estavam sacando freneticamente seu dinheiro do credor com sede na Califórnia antes que os reguladores dos EUA interviessem para assumir o controle.

    Mas o colapso deixou os mercados em pânico, acumulando problemas nas instituições financeiras mais fracas, que já lutavam com as consequências não intencionais do aumento das taxas de juros e das feridas autoinfligidas.

    Uma semana depois, um segundo banco regional dos EUA – Signature Bank – foi fechado, um terceiro – First Republic Bank (FRC) – foi apoiado e a primeira grande ameaça desde 2008 a um banco de importância financeira global – Credit Suisse – foi evitado, pelo menos por enquanto.

    Mas a relativa calma só foi restaurada graças ao fornecimento de grandes somas de dinheiro emergencial de credores de última instância – bancos centrais – e alguns dos players mais fortes do setor.

    Os mercados continuam no limite: os índices de referência de ações dos bancos americanos e europeus perderam 20% e 13%, respectivamente, desde o fechamento do pregão na última quarta-feira. Wall Street abriu em baixa na sexta-feira (17) e as ações da First Republic caíram cerca de 16%.

    Uma breve linha do tempo

    Sexta-feira, 10 de março – A Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) do governo dos Estados Unidos assumiu o controle do SVB. Foi o maior colapso bancário na América desde o Washington Mutual em 2008.

    A direção começou a falhar 48 horas antes, quando o banco teve uma perda multibilionária sacando títulos do governo dos EUA para levantar dinheiro para pagar os depositantes. Ele tentou – sem sucesso – vender ações para sustentar suas finanças. Isso desencadeou o pânico que levou à sua queda.

    Domingo, 12 de março – O FDIC fechou o Signature Bank após uma corrida em seus depósitos por clientes que ficaram assustados com a implosão do SVB. Ambos os bancos tinham uma proporção excepcionalmente alta de depósitos não segurados para financiar seus negócios.

    Quarta-feira, 15 de março – Depois de assistir ao colapso das ações do Credit Suisse (CS) em até 30%, as autoridades suíças anunciaram um backstop para o segundo maior banco do país.

    Isso acalmou o pânico imediato do mercado, mas o player global ainda não está fora de perigo. Investidores e clientes estão preocupados com a falta de um plano confiável para reverter um declínio de longo prazo em seus negócios.

    Quinta-feira, 16 de março – O First Republic Bank estava à beira do precipício quando os clientes sacaram seus depósitos. Em uma reunião em Washington, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, e Jamie Dimon, o CEO do maior banco dos Estados Unidos, traçaram planos para um resgate do setor privado.

    O resultado foi um acordo com um grupo de credores americanos para depositar dezenas de bilhões de dólares em dinheiro no First Republic Bank para estancar o sangramento.

    Quanto custou o resgate?

    Quase US$ 200 bilhões até agora em apoio direto do banco central. Ao garantir todos os depósitos no Silicon Valley Bank e no Signature Bank, o Federal Reserve dos EUA responde por US$ 140 bilhões. Depois, há os US$ 54 bilhões que o Banco Nacional da Suíça ofereceu ao Credit Suisse na forma de um empréstimo de emergência.

    O Fed também concordou com montantes recordes de empréstimos a outros bancos nesta semana. Os bancos tomaram emprestados quase US$ 153 bilhões do Fed nos últimos dias, quebrando o recorde anterior de US$ 112 bilhões estabelecido durante a crise de 2008.

    Os bancos também sacaram quase US$ 12 bilhões em empréstimos do novo programa de empréstimos de emergência do Fed, estabelecido no início da semana para evitar que mais bancos falissem.

    Os US$ 318 bilhões que o Fed emprestou no total ao sistema financeiro é cerca de metade do que foi concedido durante a crise financeira global.

    “Mas ainda é um número grande”, disse Michael Feroli, do JPMorgan, em nota aos investidores na quinta-feira (16). “A visão do copo meio vazio é que os bancos precisam de muito dinheiro. O copo meio cheio é que o sistema está funcionando conforme o esperado.”

    O setor bancário também desembolsou bilhões. JPMorgan Chase, Bank of America e Citigroup estão entre um grupo de 11 credores que fornecem a infusão de dinheiro de US$ 30 bilhões com o objetivo de aumentar a confiança no First Republic Bank.

    O HSBC comprometeu mais de US$ 2 bilhões com os negócios do SVB no Reino Unido, que comprou no domingo por 1 libra.

    Isso torna uma recessão mais provável?

    Sim, novamente.

    Aqui está o que Yellen também disse ao comitê do Senado: “Pode transformar isso em uma fonte de risco econômico negativo significativo”.

    O Goldman Sachs disse na quarta-feira (15) que o estresse crescente no setor bancário aumentou as chances de uma recessão nos EUA nos próximos 12 meses. O banco agora acredita que a economia americana tem 35% de chance de entrar em recessão em um ano, contra 25% antes do início do colapso do setor bancário.

    A segunda maior economia do mundo, a China, também não vai bem, apesar de uma explosão de atividade após o rápido fim das medidas draconianas de bloqueio da Covid no final do ano passado.

    Em um movimento surpresa na sexta-feira, o banco central chinês cortou a quantidade de dinheiro que os credores do país são obrigados a manter em reserva em uma tentativa de manter o fluxo de caixa na economia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original