Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marca da Chocolates Pan vai a leilão após falência; lance inicial é de R$ 27 milhões

    Valor representa as 23 marcas registradas no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) como Chocolapis Pan, Paulistinha Pan, dentre outros.

    Imóvel da Pan tem 10.432 m² e fica no bairro de Santa Paula, uma área nobre de São Caetano do Sul
    Imóvel da Pan tem 10.432 m² e fica no bairro de Santa Paula, uma área nobre de São Caetano do Sul Divulgação

    Diego Mendesda CNN

    São Paulo

    A Chocolates Pan, famosa pelos “cigarrinhos de chocolate” e as “moedinhas de chocolates”, vai leiloar a marca da empresa nas próximas semanas.

    Considerando o valor histórico e o potencial de crescimento no mercado, uma perícia judicial, a pedido da Justiça de São Paulo, avaliou a Pan em R$ 27.583.262, lance inicial no leilão.

    Este valor representa as 23 marcas registradas no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) com o nome da Pan, como Chocolápis Pan, bala Paulistinha Pan, dentre outros produtos.

    Segundo o relatório aprovado pela Justiça, o faturamento da marca pode chegar a R$ 51 milhões em cinco anos. Além disso, a avaliação considera que, como as informações do setor e o histórico da Pan apontam uma marca madura e consolidada, a taxa de royalties a ser cobrada num possível licenciamento é de 5%, o que representa mais de R$ 2,1 milhões até 2028.

     

    O valor da venda tem como objetivo pagar os credores. A dívida acumulada pela Pan é de cerca de R$ 260 milhões.

    Os interessados podem participar do leilão por meio do site www.positivoleiloes.com.br.

    O processo será conduzido seguindo as regras e regulamentos estabelecidos para garantir a integridade da venda, oferecendo aos compradores confiança e segurança na sua participação.

    Leilão da fábrica

    A Cacau Show arrematou a compra da fábrica da Chocolates Pan em leilão, que foi homologado pela Justiça, nesta quinta-feira (19).

    Por meio do seu braço de investimentos CCSH, a Cacau Show disputou e levou todos os itens leiloados, comprando a área do imóvel onde ficava a fábrica, bem como os equipamentos e máquinas do local.

    O montante da compra foi de mais de R$ 71 milhões, representando um acréscimo de 33% do preço inicialmente estipulado.

    O imóvel tem 10.432 m² e fica no bairro de Santa Paula, uma área nobre de São Caetano do Sul.

    O comprador receberá o imóvel livre de qualquer débito. O valor da venda tem como objetivo pagar os credores da Pan e dar uma destinação útil ao imóvel para a sociedade.

    Em nota, a Cacau Show disse que acompanhou com muita tristeza o fechamento definitivo da Pan no início de 2023.

    “Quando tomamos conhecimento do leilão do espaço fabril da empresa, optamos por participar do certame por absoluto respeito à história da Pan e dos seus
    fundadores.”

    A Cacau Show destacou que o espaço fabril onde por décadas a Pan produziu chocolates para o Brasil, possui equipamentos emblemáticos com mais de 50 anos de história.

    “Nenhum outro participante do leilão dos bens da empresa garantiria o aproveitamento desse acervo histórico tão relevante para a indústria nacional. Por essas razões, a Cacau Show não mediu esforços para arrematar todos os bens levados a leilão. Nosso maior objetivo, com essa aquisição, é preservar e respeitar a história de uma
    empresa familiar que foi relevante no mercado brasileiro de chocolates.”

    Falência

    A fábrica de chocolates Pan leiloou toda a empresa, incluindo o prédio, máquinas e sucatas, com a finalidade de pagar os credores. 

    A companhia, que somava dívidas de mais de R$ 260 milhões, teve falência decretada em fevereiro deste ano, depois de um processo de recuperação judicial que vinha desde 2017.

    Em recuperação judicial desde março de 2021, a companhia declarou no pedido a “insuficiência de caixa e a impossibilidade de regularização do passivo, fato que compromete, irremediavelmente, seu soerguimento”.

    Veja também: Tok&Stock mira reestruturação após escapar da falência