Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ibovespa encerra semana com alta de 2,44% após bater maior patamar da história; dólar sobe 0,18%, a R$ 4,93

    Mercado passa por ajuste com falas de dirigentes do Fed afastando chance de corte dos juros nos EUA nos próximos meses

    Por volta das 13h45, o Ibovespa caía 0,26%, a 131.498,04 pontos
    Por volta das 13h45, o Ibovespa caía 0,26%, a 131.498,04 pontos REUTERS/Amanda Perobelli

    Da CNN*

    São Paulo

    O Ibovespa recuou e o dólar voltou a subir ante o real nesta sexta-feira (15), após autoridades do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) esfriarem a expectativa dos investidores para início do corte de juros a partir do primeiro semestre de 2024.

    No cenário interno, o mercado acompanha a votação da reforma tributária na Câmara dos Deputados, já aprovada em primeiro turno nesta tarde.

    O principal índice do mercado brasileiro encerrou a sessão com perda de 0,49%, aos 130.197 pontos, um dia após atingir o maior patamar da história.

    Apesar do desempenho negativo no dia, o Ibovespa fecha a semana com alta de 2,44%, o maior salto desde o período encerrado em meados de novembro.

    O arrefecimento do bom humor dos mercados deu novo fôlego ao dólar, que encerrou o dia com alta de 0,46% ante o par brasileiro, negociado a R$ 4,937 na venda. Na semana, a divisa acumulou ganho de 0,18%.

    O clima de otimismo dos últimos dias foi esvaziado nesta sexta após comentários do presidente do Fed de Nova York, John Williams, que rejeitou as crescentes expectativas em relação à cortes na taxa de juros dos EUA.

    Segundo ele, o Fed ainda se concentra em verificar se a política monetária está no caminho certo para continuar levando a inflação à meta de 2%.

    O posicionamento foi reforçado pelo presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, que afirmou que a taxa deve começar a ser reduzida “em algum momento do terceiro trimestre” de 2024 se a inflação cair conforme o esperado.

    Bostic disse esperar que a inflação, medida pelo índice PCE, termine 2024 em torno de 2,4%, um progresso suficiente em direção à meta de 2% do banco central dos Estados Unidos para justificar dois cortes de 0,25 ponto percentual na taxa de juros durante o segundo semestre do próximo ano.

    Na quarta (13), o Fed manteve as taxas de juros entre 5,25% e 5,50%. O discurso do presidente, Jerome Powell, levou a uma onda de otimismo ao mercado, reforçando as expectativas de início de queda dos juros já nos próximos meses.

    Reforma tributária na Câmara

    No cenário interno, investidores acompanham a votação da reforma tributária na Câmara dos Deputados, com texto-base já aprovado em primeiro turno.

    Os deputados ainda precisam aprovar a PEC em segundo turno. Depois, o texto segue para promulgação.

    Desde o início do ano, o governo tem defendido a aprovação de um novo sistema tributário para o Brasil. O tema é debatido no Congresso há cerca de 30 anos.

    Em linhas gerais, o texto da reforma tributária prevê que todos os produtos e serviços vendidos no país terão um imposto federal unificado por meio de um “IVA dual”.

    *Com informações de Reuters

    Veja também: Pacote econômico de Milei carece de detalhes e peso cai mais de 50%