Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aumento do preço do petróleo é a principal ameaça à economia dos EUA, alerta Moody’s

    Preços se elevam a níveis mais altos nos últimos cinco meses, flertando com US$ 92 por barril, em meio a preocupações com a guerra no Oriente Médio

    Além disso, se os preços da gasolina subirem acima de US$ 4 por galão e se mantiverem assim, as consequências políticas poderão ser enormes
    Além disso, se os preços da gasolina subirem acima de US$ 4 por galão e se mantiverem assim, as consequências políticas poderão ser enormes 30/07/2013 - REUTERS/David McNew

    Matt Eganda CNN Nova York

    O mercado de trabalho dos EUA está em alta, os gastos do consumidor estão fortes e a economia está crescendo em um ritmo acelerado. Mas há uma ameaça crescente a esse cenário econômico: o aumento dos preços do petróleo.

    Os preços do petróleo nos EUA estão se aproximando rapidamente de US$ 90 por barril. Os preços globais do petróleo estão flertando com US$ 92 por barril em meio a preocupações com uma guerra mais ampla no Oriente Médio. E isso elevou os preços da gasolina aos níveis mais altos dos últimos cinco meses.

    O risco é que esses preços continuem subindo, prejudicando os gastos dos consumidores e desfazendo o progresso significativo da inflação. Isso poderia fazer com que o Federal Reserve (Fed) adiasse os cortes nas taxas de juros e assustasse os investidores em Wall Street.

    “É a ameaça mais séria para a economia. Nada causa mais danos à economia mais rapidamente do que o aumento dos preços do petróleo”, disse o economista-chefe da Moody’s, Mark Zandi, à CNN em uma entrevista por telefone.

    Além disso, se os preços da gasolina subirem acima de US$ 4 por galão e se mantiverem assim, as consequências políticas poderão ser enormes.

    A Moody’s publicou um modelo no início deste ano que mostrava que os preços da gasolina são uma variável importante nas eleições de novembro, uma variável que poderia inclinar a balança a favor do ex-presidente Donald Trump.

    “Se eles ficarem acima de US$ 4 por galão por mais de dois ou três meses, Trump vencerá”, disse Zandi.

    Os preços do petróleo nos EUA subiram acima de US$ 87 por barril no final da semana passada, pela primeira vez desde o final de outubro, o que os deixou com um aumento de cerca de 21% este ano.

    “Podemos digerir petróleo de US$ 85 ou US$ 90. Se passarmos de US$ 90 e nos aproximarmos de US$ 100, isso será um problema”, disse Zandi.

    “Os consumidores serão prejudicados, especialmente as famílias de baixa renda. E isso prejudica a confiança. As pessoas consideram o preço da gasolina como um teste decisivo para sua própria situação financeira”.

    Primeiro, os ataques de drones a refinarias de petróleo nas profundezas da Rússia ajudaram a elevar os preços do petróleo no mês passado.

    Agora, o foco está no Oriente Médio e em como o Irã responderá ao ataque aéreo mortal da semana passada contra o complexo de sua embaixada na Síria.

    As autoridades iranianas prometeram retaliar Israel, que não reivindicou a responsabilidade pelo ataque, mas argumentou que o alvo era um “prédio militar das forças Quds” – uma unidade da Guarda Revolucionária Iraniana responsável por operações no exterior.

    “A probabilidade de uma interrupção no fornecimento está aumentando. Há o temor de um ataque retaliatório que poderia levar a uma interrupção”, disse Andy Lipow, presidente da Lipow Oil Associates.

    “É muito fácil ver o Brent a US$ 95. Se ocorrer outro evento geopolítico no Oriente Médio, US$ 100 Brent não está fora de questão”.

    Helima Croft, ex-analista da CIA, que agora é chefe global de estratégia de commodities da RBC Capital Markets, disse aos clientes em uma nota que há um risco de que esse “ciclo de olho por olho se expanda para um conflito mais amplo do que o que algumas das principais partes interessadas estão buscando”.

    Preços da gasolina perto de US$ 3,60 em todo o país

    Joe Brusuelas, economista-chefe da RSM, disse que o “maior risco externo para a economia dos EUA são as tensões geopolíticas no Oriente Médio”, porque elas aumentariam os preços do petróleo e da gasolina.

    “Combinados, eles são a única coisa no curto prazo que poderia causar o fim do atual ciclo de negócios”, disse Brusuelas.

    No entanto, ele disse que os preços do petróleo teriam que subir muito mais – para cerca de US$ 115 a US$ 130 por barril – antes de levantar o espectro de uma recessão.

    Os preços da gasolina subiram para US$ 3,58 por galão, em média, ao nível nacional na sexta-feira (5), de acordo com a AAA. Isso representa um aumento de quatro centavos em uma semana e de 21 centavos em um mês.

    Além das tensões no Oriente Médio, os preços do petróleo e do gás foram impulsionados pela OPEP e seus aliados, que continuam a restringir a oferta.

    Fatores sazonais fortes também estão em jogo. Os preços da gasolina normalmente sobem na primavera, quando as refinarias mudam para o combustível mais caro do verão e quando mais pessoas pegam as estradas, aumentando a demanda.

    Cortes nas taxas do Fed em jogo

    Quanto mais altos forem os preços da gasolina, piores parecerão as próximas leituras de inflação. As autoridades do Fed estarão analisando atentamente os próximos relatórios de inflação enquanto debatem se reduzirão as taxas de juros em junho.

    Vincent Reinhart, ex-economista do Fed e atual economista-chefe da Dreyfus e da Mellon, disse à CNN que o risco para a inflação é de alta devido aos preços dos produtos, inclusive das commodities.

    “Os preços das commodities são muito importantes. Isso poderia desalojar a evolução favorável dos preços dos produtos. Os preços do petróleo, em particular, realmente repercutem nas famílias. Eles têm uma amostragem excessiva com isso”, disse Reinhart.

    Reinhart acredita que o Fed reduzirá as taxas de juros em junho, em parte porque as autoridades desejarão se antecipar à temporada eleitoral, quando sua estratégia estará sujeita a um escrutínio político mais intenso.

    “A temporada eleitoral vai se tornar ainda mais tóxica. O fato de o Fed mudar o curso da política logo no período que antecede as eleições, após as convenções nacionais, chamará muita atenção e questionará sua intenção política”, disse ele.

    A boa notícia é que, apesar dos riscos crescentes, alguns veteranos do mercado de energia estão mantendo suas previsões cautelosamente otimistas.

    Lipow espera que a média nacional suba para US$ 3,70 o galão nas próximas semanas, mas ele ainda não está pedindo US$ 4 o galão.

    Patrick De Haan, chefe de análise de petróleo da GasBuddy, disse à CNN que ainda espera que os preços da gasolina fiquem na faixa superior a US$ 3, a menos que um grande furacão danifique as refinarias dos EUA.

    “Ainda não acho que uma média nacional de US$ 4 por galão seja iminente”, disse De Haan.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original