Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ibovespa perde 3% na semana, pior desempenho desde março de 2023; dólar sobe 1,3%

    Mercado cai pela 6ª sessão seguida com expectativas por queda dos juros nos EUA

    Por volta das 14h35, o principal índice da bolsa recuava 0,01%, aos 124.716,5 pontos
    Por volta das 14h35, o principal índice da bolsa recuava 0,01%, aos 124.716,5 pontos 06/07/2023 - REUTERS/Amanda Perobelli

    Da CNN

    O Ibovespa voltou a fechar em queda e o dólar teve nova alta ante o real nesta sexta-feira (24), com cenário de cautela global pelo fechamento das bolsas em Wall Street na segunda-feira (27), enquanto investidores seguem atentos ao momento de início do corte dos juros nos Estados Unidos.

    Na cena doméstica, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta tarde que a inflação deve sofrer impactos para cima com os efeitos da chuva no Rio Grande do Sul, além de fatores fiscais, externos e a própria credibilidade da autoridade monetária.

    Já no noticiário corporativo, o mercado reagiu com otimismo ao anúncio da Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) para o compartilhamento de rotas, somando mais de 150 destinos, enquanto Petrobras (PETR4) anunciou que o conselho de administração aprovou o nome de Magda Chambriard para o comando da estatal.

    O principal índice do mercado doméstico encerrou a sessão com perda de 0,34%, aos 124.305 pontos, devolvendo ganhos vistos nas primeiras horas de pregão.

    Esta foi a sexta queda seguida do pregão, igualando a marca vista em abril (-4,4%). Antes, a maior sequência de perdas do Ibovespa foi em agosto do ano passado, quando somou 13 pregões em sequência no vermelho (-5,7%).

    O desempenho fez o Ibovespa perder 3% na semana, o pior desempenho desde março do ano passado.

    O clima de cautela deu nova força ao dólar, que encerrou o dia com avanço de 0,29% ante o real, negociado a R$ 5,168 na venda.

    Na semana, a divisa norte-americana soma valorização de 1,28%.

    Azul e Gol anunciam parceria

    As ações de Azul e Gol dispararam após as companhias aéreas anunciarem nesta sexta um acordo para compartilhar rotas, também chamado de codeshare, que englobará mais de 150 destinos, acrescentando que as rotas envolvidas serão aquelas operadas por uma das companhias e não pela outra.

    Azul fechou com avanço de 5,18%, enquanto Gol, que está em recuperação judicial e não faz parte do Ibovespa, subiu 11,90%.

    Notícias nos últimos meses afirmaram que a Azul estava cogitando uma aquisição da Gol, que era a principal companhia aérea do Brasil até 2021. A Azul tem afirmado que observa o mercado em busca de potenciais parcerias e que, em geral, é a favor de movimentos de consolidação para fortalecer operadoras aéreas.

    As empresas afirmaram que possuem cerca de 1.500 decolagens diárias e que o acordo vai criar mais de 2.700 oportunidades de viagens com apenas uma conexão.

    Na direção oposta, Magazine Luiza (MGLU3) recuou 7,04%.

    Petrobras aprova Madga para presidência

    O conselho de administração da Petrobras aprovou a eleição de Magda Chambriard para a presidência da companhia e sua nomeação como conselheira.

    Chambriard tomou posse em ambos os cargos e passou a integrar o colegiado imediatamente, segundo comunicado da estatal. Não foi necessária a convocação de assembleia de acionistas.

    Os papéis preferenciais (PETR4) da estatal perderam 0,54%, enquanto as ordinárias (PETR3) recuaram 0,34%.

    Juros dos EUA

    Recentes dados mostrando resiliência da economia norte-americana levou investidores a ver o início da queda de juros pelo Federal Reserve (Fed) apenas em novembro, segundo dados do CME Group.

    Enquanto isso, no agregado do ano, o cenário mais provável é de uma única redução de juros — de 25 pontos-base.

    Da quinta-feira para a sexta-feira, foi registrado leve avanço na chance de nenhum corte em 2024, passando de 17,2% a 18% nesta tarde.

    Na véspera, dados de emprego mostrando aquecimento reforçou o pessimismo de corte dos juros pelo Fed, que publicou ata da última reunião nesta quarta-feira (22) e citou que a inflação segue persistente nos Estados Unidos.

    Chuvas no RS podem impactar inflação, diz Campos Neto

    O presidente do Banco Central hoje que a inflação brasileira pode subir com o aumento dos alimentos devido aos efeitos das chuvas que alagaram a maior parte do Rio Grande do Sul e por outros motivos.

    Em uma palestra no X Seminário Anual de Política Monetária, promovido pela Fundação Getulio Vargas, Campos Neto afirmou ainda que as expectativas de inflação têm aumentado e destacou o cenário fiscal, o ambiente externo e a credibilidade do BC como fatores que podem explicar essa desancoragem.

    Campos Neto classificou esse movimento como “notícia ruim” e disse que o BC “olha muito no detalhe os dados na margem” da inflação no Brasil.

    *Com Reuters e Estadão Conteúdo