Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nvidia leva Nasdaq e S&P 500 a novos recordes

    Bolsa dos EUA subiu após chair do Fed alimentar expectativas de corte de juros em setembro

    S&P 500 subiu 1,02%, para 5.633,91 pontos. O Nasdaq ganhou 1,18%, para 18.647,45 pontos
    S&P 500 subiu 1,02%, para 5.633,91 pontos. O Nasdaq ganhou 1,18%, para 18.647,45 pontos 05/12/2007 - REUTERS/Brendan McDermid

    Reuters

    Os índices Nasdaq e S&P 500 atingiram novos recordes de fechamento nesta quarta-feira (10), impulsionados pelos ganhos da Nvidia e de outras grandes empresas de Wall Street, antes dos dados de inflação e dos relatórios de resultados trimestrais de empresas que serão divulgados nesta semana.

    Foi o sétimo fechamento recorde consecutivo do índice de tecnologia Nasdaq e o sexto consecutivo do S&P 500. O S&P 500 ultrapassou 5.600 pontos pela primeira vez, depois que o chair do Federal Reserve, Jerome Powell, alimentou expectativas de um corte na taxa de juros em setembro.

    Powell disse em seu segundo dia de depoimento no Congresso dos Estados Unidos que não está pronto para concluir que a inflação está se movendo de forma sustentável para 2%, embora tenha expressado “alguma confiança nisso”.

    A Micron Technology saltou 4%, a Nvidia subiu 2,7% e a Advanced Micro Devices avançou 3,9%.

    O Dow Jones subiu 1,09%, para 39.721,36 pontos. O S&P 500 subiu 1,02%, para 5.633,91 pontos. O Nasdaq ganhou 1,18%, para 18.647,45 pontos.

    O S&P 500 já ganhou 18% em 2024, e o Nasdaq subiu 24%.

    Todos os 11 índices setoriais do S&P 500 subiram nesta quarta-feira, liderados pelo de tecnologia da informação, com alta de 1,63%, seguido por um ganho de 1,34% em materiais.

    Os dados de inflação dos EUA previstos para esta semana incluem o índice de preços ao consumidor na quinta-feira (11) e o relatório do índice de preços ao produtor na sexta-feira (12).

    As expectativas de um corte de 25 pontos-base na taxa básica até setembro subiram para 74%, de cerca de 70% na terça-feira (9) e 45% um mês atrás, de acordo com o FedWatch da CME.