Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ministério Público de NY acusa plataformas de criptomoedas de encobrir fraudes de mais de US$ 1 bilhão

    Pelo menos 29 mil novaiorquinos estão entre os 230 mil investidores que perderam dinheiro em três plataformas

    Defensores da criptomoeda argumentam que os reguladores demoraram a estabelecer diretrizes para ativos digitais
    Defensores da criptomoeda argumentam que os reguladores demoraram a estabelecer diretrizes para ativos digitais 7/7/2022 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração/Arquivo

    Allison Morrowda CNN

    As consequências da implosão do negócio de criptomoeda de Sam Bankman-Fried ainda estão se espalhando pela indústria de ativos digitais quase um ano depois.

    Na quinta-feira (19), o procurador-geral de Nova York abriu um processo contra três empresas de ativos digitais que foram pegas no colapso do império de Bankman-Fried – Gemini Trust, Genesis Global Capital e Digital Currency Group, empresa-mãe da Genesis.

    O processo acusou as empresas de mentir aos investidores e encobrir mais de US$ 1 bilhão em perdas.

    O escritório do AG disse que uma investigação descobriu que a Gemini, a empresa de criptomoeda fundada por Cameron e Tyler Winklevoss, enganou os investidores sobre riscos significativos associados a um serviço de empréstimo que administrava em conjunto com a Genesis.

    O programa, chamado Gemini Earn, foi comercializado como um investimento de baixo risco no qual os clientes poderiam emprestar criptoativos à Genesis enquanto recebiam pagamentos de juros de até 8%.

    “Essas empresas de criptomoeda mentiram para os investidores”, disse a procuradora-geral Letitia James em comunicado. “E foram os investidores da classe média que sofreram com isso.” Pelo menos 29 mil nova-iorquinos estavam entre os 230 mil investidores cujo dinheiro foi perdido, disse James.

    O processo de James é o mais recente esforço entre as autoridades dos EUA para reprimir a indústria de criptomoedas de US$ 1 trilhão, que durante anos operou nas sombras da regulamentação financeira tradicional.

    Os defensores da criptomoeda argumentam que os reguladores demoraram a estabelecer diretrizes para ativos digitais, que eles acreditam serem distintos dos títulos tradicionais, como ações ou títulos.

    As perdas se acumulam

    Imediatamente após a quebra da FTX, a Genesis congelou os resgates de clientes em sua unidade de crédito, citando turbulência do mercado. A unidade de crédito posteriormente pediu falência.

    De acordo com o último processo, Gemini sabia que os empréstimos da Genesis eram arriscados e, a certa altura, “altamente concentrados” na casa de comércio de criptomoeda Alameda Research de Bankman-Fried.

    Bankman-Fried está atualmente sendo julgado no tribunal federal de Nova York, onde se declarou inocente de sete acusações de fraude e conspiração.

    “A Gemini escondeu os riscos de investir com a Genesis, e a Genesis mentiu ao público sobre suas perdas”, disse James.

    O processo também nomeia o ex-CEO da Genesis, Soichiro “Michael” Moro, e o CEO do Digital Currency Group, Barry Silbert.

    Os proprietários da Gemini, os gêmeos Winklevoss, disseram que a Genesis devia mais de US$ 900 milhões a cerca de 340 mil clientes que usam o programa Earn.

    A ação judicial da AG segue outra ação civil movida pela Securities and Exchange Commission, que em janeiro processou Genesis e Gemini por oferecerem títulos não registrados por meio do produto Earn.

    A Gemini respondeu ao último processo na quinta-feira com uma declaração no X (antigo Twitter), alegando que a própria Gemini foi vítima de uma “fraude massiva”.

    “O processo da NYAG confirma o que temos dito o tempo todo” – que mentiram para a Gemini, seus clientes e outros credores sobre as finanças da Genesis. Mas a empresa disse que discorda “totalmente” do processo.

    “Culpar uma vítima por ter sido fraudada e enganada não faz sentido e estamos ansiosos para nos defender contra esta posição inconsistente.”

    Um porta-voz do Genesis disse que “embora não haja base para as reivindicações da NYAG contra o Genesis, temos cooperado com todas as autoridades e pretendemos continuar a fazê-lo”.

    “A Genesis não violou a lei e continua a se concentrar em maximizar as recuperações para os credores nos seus casos do Capítulo 11”, acrescentou o porta-voz.

    Veja também: Entenda como funciona o mercado de criptomoedas

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Tópicos

    Tópicos