Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conselho da Oi aprova novo plano de recuperação judicial

    Plano prevê empréstimo de US$ 650 milhões

    Oi se encontra em seu segundo processo de proteção contra credores
    Oi se encontra em seu segundo processo de proteção contra credores REUTERS/Paulo Whitaker

    Reuters

    A Oi anunciou nesta terça-feira (6) que seu conselho de administração aprovou na véspera um novo plano de recuperação judicial, com previsão de captação de um empréstimo “superprioritário” em reais equivalente a US$ 650 milhões (R$ 3,234 bilhões) e venda de participações em empresas incluindo a empresa de fibra ótica V.tal.

    “A companhia continua em intensas negociações, com os credores financeiros e outros credores quirografários, em relação aos termos e condições específicas de um potencial acordo vinculante de suporte à nova versão do plano de recuperação judicial”, disse a Oi em fato relevante.

    “Portanto, a nova versão do plano de recuperação judicial está ainda sujeita às negociações com credores, em caso de atingimento das condições para um acordo de suporte ao plano”, afirmou a empresa.

    A proposta aprovada pelo conselho inclui um descontos de até 45% na dívida detida aos credores donos de torres de telefonia usadas pela empresa, 60% na detida por operadores de satélite e leilão reverso prevendo desconto mínimo de 90%.

    Ao final do processo, segundo a proposta, acionistas atuais da Oi serão 20% do capital da companhia.

    A companhia já foi tida como uma “campeã nacional” durante o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas sucumbiu a uma primeira recuperação judicial em 2016, quando foi forçada a vender ativos que incluíram sua rede de telefonia móvel para as rivais Telefônica Brasil, TIM e Claro.

    Atualmente, a Oi se encontra em seu segundo processo de proteção contra credores.

    A Oi divulgou no documento estimativa de que sua operação de fibra ótica, seu principal negócio atualmente, encerrou 2023 com lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) negativo em cerca de R$ 1,3 bilhão o que deverá passar, segundo a empresa, a resultado positivo de R$ 125 milhões em 2028.

    A empresa projeta sair de uma base de 4 milhões de casas conectadas com fibra ótica em 2023 para 5,6 milhões em 2028, com a receita com fibra avançando de R$ 4,42 bilhões para R$ 6,4 bilhões no mesmo período.

    Em termos consolidados, a empresa previu que a “Nova Oi”, sairá de uma receita líquida de R$ 9,6 bilhões em 2023 para faturamento de R$ 9,3 bilhões em 2028, com o Ebitda “reportado” passando de negativos R$ 409 milhões para R$ 1,4 bilhão positivo no mesmo intervalo.

    Segundo a Oi, o avanço do Ebitda vai se dar “através de maior escala do negócio de fibra, eliminação gradual do legado e iniciativas de eficiência, além do impacto de iniciativas de redução de custos em todas as unidades de negócios”.

    Os números, porém, afirmou a empresa, não consideram a venda de ativos estratégicos como a ClientCo (Oi Fibra) e a V.tal.