Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    FedEx vai cortar até 2 mil empregos na Europa com fraca demanda por frete

    Cortes serão distribuídos por 18 meses e resultarão em um custo antes de impostos de U$ 250 milhões a 375 milhões referentes a honorários advocatícios e benefícios de indenização

    A redução ajudará a economizar entre U$ 125 milhões e 175 milhões por ano a partir do ano fiscal de 2027
    A redução ajudará a economizar entre U$ 125 milhões e 175 milhões por ano a partir do ano fiscal de 2027 03/09/2021REUTERS/Andrew Kelly

    Reuters

    A FedEx está planejando cortar entre 1.700 e 2.000 empregos administrativos na Europa, no seu mais recente esforço para cortar custos, à medida que enfrenta uma queda na procura por frete.

    Os cortes serão distribuídos por 18 meses e resultarão em um custo antes de impostos de U$ 250 milhões a 375 milhões referentes a honorários advocatícios e benefícios de indenização, disse a FedEx.

    A redução ajudará a economizar entre U$ 125 milhões e 175 milhões por ano a partir do ano fiscal de 2027.

    Confrontada com uma fraca procura de frete e um lento crescimento das margens na unidade aérea Express, seu maior segmento, a empresa tem apostado em cortes de custos para impulsionar os lucros.

    A empresa sediada em Memphis tinha delineado planos para cortar U$ 4 bilhões em custos até ao final do ano fiscal de 2025, incluindo U$ 1,8 bilhões no ano fiscal de 2024, como parte de um plano para reestruturar as redes de distribuição e reforçar sua capacidade.

    A FedEx, a rival United Parcel Service e outras empresas de entrega viram um aumento na demanda durante os primeiros dias da pandemia, com o impulso das compras online.

    Mas à medida que as atividades presenciais foram retomadas, essa tendência inverteu curso e também sofreu com o aumento da inflação.

    A FedEx opera em mais de 45 países e territórios na Europa e emprega mais de 52.000 pessoas, de acordo com o seu site.