Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preços do petróleo estão em queda mesmo com invasão de Israel à Gaza, mas podem voltar a subir

    Banco Mundial prevê três possíveis cenários para alta do petróleo caso conflito se expanda regionalmente

    Barril do Brent caiu 1,1%, para US$ 89, nesta segunda-feira (30)
    Barril do Brent caiu 1,1%, para US$ 89, nesta segunda-feira (30) REUTERS/Dado Ruvic

    Anna Coobanda CNN*

    Londres

    Os preços do petróleo caíram novamente na segunda-feira (30), uma vez que as preocupações sobre a saúde da economia global superaram os receios em relação a decisão de Israel expandir suas operações militares para a Faixa de Gaza.

    O petróleo tipo Brent, usado como referência para o produto, caiu 1,1%, para US$ 89 (R$ 444,78) o barril. Na semana passada, o Brent caiu 1,8%.

    Susannah Streeter, chefe de dinheiro e mercados em Hargreaves Lansdown, escreveu numa nota na segunda-feira que, embora “os riscos de escalada regional ainda sejam claros e presentes”, a ofensiva terrestre em Gaza era “amplamente esperada”.

    “Embora as preocupações com a oferta ainda persistam, mantendo um piso nos preços do petróleo, as preocupações sobre um obstáculo ao crescimento [global] que se avizinha, levando a uma procura mais fraca, provocaram uma queda nos preços do petróleo”, disse Streeter.

    As preocupações sobre o crescimento econômico global foram reforçadas na segunda-feira, quando a Alemanha – a maior economia da Europa – informou que o seu Produto Interno Bruto (PIB) encolheu no terceiro trimestre, à medida que os consumidores controlavam os gastos.

    O Banco Mundial afirmou na segunda-feira que a invasão à Gaza poderia empurrar os mercados globais de matérias-primas, incluindo os mercados petrolíferos, para “águas desconhecidas”, e apresentou três cenários sob os quais os preços do petróleo poderiam subir.

    “Os formuladores de políticas terão de estar vigilantes”, disse Indermit Gill, economista-chefe do credor, num comunicado.

    “Se o conflito se intensificasse, a economia global enfrentaria um duplo choque energético pela primeira vez em décadas – não apenas devido à guerra na Ucrânia, mas também no Oriente Médio.”

    Perspectiva do Banco Mundial

    O Banco Mundial, na sua Perspetiva dos Mercados de Commodities publicada na segunda-feira, disse que espera que os preços globais do petróleo atinjam uma média de US$ 90 (R$ 449,77) por barril no quarto trimestre, antes de caírem para uma média de US$ 81 (R$ 404,80) por barril no próximo ano, à medida que o crescimento econômico global deve abrandar.

    Se, no entanto, o conflito se intensificar e perturbar o fornecimento de petróleo, os preços poderão disparar até 75%, para US$ 157 (R$ 784,61) por barril, no pior cenário do banco. Nesse caso, o nível de perturbação seria comparável ao causado pelo embargo petrolífero da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 1973.

    O Banco Mundial disse que uma perturbação menor, equivalente à resultante da guerra civil na Líbia em 2011, poderia elevar os preços do petróleo para US$ 103 (R$ 514,74) por barril.

    Já uma interrupção de nível médio no fornecimento, equivalente às consequências da guerra do Iraque em 2003, poderia elevar os preços para US$ 121 (R$ 604,70) por barril, disse o credor.

    Guerra em Israel

    Os preços do Brent subiram 5,7% desde que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro, matando mais de 1.400 pessoas, a maioria civis.

    As tensões na região vem aumentando desde sábado (28), depois que as tropas israelenses intensificaram a sua operação terrestre em Gaza, após semanas de ataques aéreos no território controlado pelo Hamas.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse no domingo (29) que o país estava preparado para uma “guerra longa e difícil”.

    Israel enviou mais forças terrestres para Gaza durante a noite, disse o porta-voz do exército israelense, Daniel Hagari, na segunda-feira, observando: “Nossa atividade lá só deve se intensificar”.

    Os temores de um conflito regional mais amplo foram destacados no domingo por Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional dos EUA, que disse à CBS que havia um “risco elevado” de o conflito “se espalhar para outras partes da região”.

    O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, também disse no domingo que a ofensiva de Israel “ultrapassou as linhas vermelhas” e que “pode forçar todos a agir”.

    O Irã é uma das peças centrais na região e é aliado do Hamas e também do Hezbollah, um grupo libanês que tem se envolvido em trocas de tiros com Israel nas últimas semanas.

    O Irã negou qualquer envolvimento no ataque de 7 de outubro do Hamas a Israel. A inteligência dos EUA sugere que Teerã foi surpreendido pelos ataques.

    *Com informações de Rob North

    Veja também: Entenda os impactos econômicos da guerra na economia mundial

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original