Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Russos enfrentam problemas econômicos seis meses após evitarem colapso

    Depois de prever a certa altura que a economia encolheria mais de 12% este ano, Ministério da Economia russo agora espera uma contração de 4,2%

    Altos preços globais de energia ajudaram o Kremlin a cumprir a promessa do presidente Vladimir Putin em março de reduzir a pobreza e a desigualdade
    Altos preços globais de energia ajudaram o Kremlin a cumprir a promessa do presidente Vladimir Putin em março de reduzir a pobreza e a desigualdade 19/08/2022. REUTERS/Alexey Malgavko

    Por Andrey Ostroukh, da Reuters

    A economia da Rússia evitou o colapso que muitos previram depois que Moscou enviou suas forças para a Ucrânia seis meses atrás, com preços mais altos para suas exportações de petróleo amortecendo o impacto das sanções ocidentais, embora ainda estejam surgindo dificuldades para alguns russos.

    Depois de prever a certa altura que a economia encolheria mais de 12% este ano, superando as quedas na produção observadas após o colapso da União Soviética e durante a crise financeira de 1998, o Ministério da Economia agora espera uma contração de 4,2%.

    Os altos preços globais de energia ajudaram o Kremlin a cumprir a promessa do presidente Vladimir Putin em março de reduzir a pobreza e a desigualdade, apesar das sanções ocidentais e da inflação.

    Alguns economistas compararam a situação à pandemia do Covid-19, quando as autoridades aumentaram os pagamentos para os mais vulneráveis à crise.

    “Até agora, não há sinais de que a queda nos padrões de vida possa levar a distúrbios”, disse Alexei Firsov, fundador do instituto de estudos sociais Platforma.

    “O declínio dos padrões de vida não chegou ao ponto em que as atitudes em relação à realidade começam a mudar significativamente e a geladeira começa claramente a superar a TV”, uma referência a um ditado russo que descreve a tensão entre as experiências das pessoas e o que a televisão estatal as levou a esperar.

    O superávit em conta corrente da Rússia — a diferença de valor entre exportações e importações — mais do que triplicou nos primeiros sete meses de 2022 sobre o ano anterior, para um recorde de 166,6 bilhões de dólares, à medida que as receitas dispararam e as sanções fizeram com que as importações caíssem.

    Putin ordenou aumentos de 10% nas aposentadorias e no salário mínimo para amenizar o golpe da inflação, enquanto grandes empregadores, como o banco Sberbank e a gigante do gás Gazprom, aumentaram os salários a partir de julho.

    A taxa de desemprego foi de 3,9% em junho, a menor desde que o serviço de estatísticas começou a divulgar o número em 1992, segundo o banco de dados do Eikon.

    Custo de vida

    A inflação, que atingiu a máxima de 20 anos de 17,8% em abril depois que o rublo caiu para uma mínima recorde em relação ao dólar, agora deve terminar o ano em 13,4%, segundo o Ministério da Economia.

    Desde então, os controles de capital de emergência ajudaram o rublo a subir mais de 25% este ano, tornando-a a moeda com melhor desempenho do mundo até agora em 2022. Isso ajudou a conter a inflação e interrompeu as compras por pânico observadas após as sanções impostas pelos países ocidentais.

    Embora as sanções signifiquem que bens de consumo como cerveja Guinness, roupas Zara e cápsulas de café Nespresso desapareceram das prateleiras, alguns russos disseram à Reuters que também estão tendo dificuldades para encontrar produtos básicos, incluindo alguns medicamentos.

    Alguns reclamaram da falta de peças de automóveis, já que muitos fabricantes ocidentais suspenderam as operações ou deixaram a Rússia completamente. A maior montadora da Rússia, Avtovaz, cortou a produção e está oferecendo demissão voluntária a alguns trabalhadores por falta de componentes.

    Os números oficiais mostram que os preços ao consumidor subiram 10,7% até agora este ano, em comparação com um aumento de 4,7% no mesmo período de 2021.

    Mas, de acordo com o serviço de estatísticas Rosstat, os preços dos absorventes higiênicos aumentaram 41% no acumulado do ano, os de carros fabricados no exterior subiram 39% e os preços do papel higiênico cresceram 27%.