Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Safra de 2024 deve ser 2,8% menor que a deste ano, diz IBGE

    Após expectativa por safra recorde em 2023, próximo ano deve colher 8,8 milhões de toneladas a menos

    El Niño gera incertezas climáticas para próxima safra
    El Niño gera incertezas climáticas para próxima safra James Baltz/Unsplash

    por Vitor Abdala, da Agência Brasil

    A safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve ficar em 308,5 milhões de toneladas em 2024, segundo a primeira estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para a produção agrícola brasileira do ano que vem.

    Caso se confirme, a safra deverá ser 2,8% inferior, ou 8,8 milhões de toneladas a menos, à estimada para este ano, de 317 milhões de toneladas, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) realizado em outubro e também divulgado nesta quinta-feira (9) pelo IBGE.

    A queda de 2023 para 2024 deverá ser puxada principalmente pelas lavouras da soja, com previsão de queda de 1,3%, ou menos 2 milhões de toneladas, e do milho, que deverá recuar 5,6%, ou menos 7,3 milhões de toneladas.

    Tanto a soja quanto o milho também deverão ter queda na área colhida, de 0,6% e 0,4% respectivamente.

    “O excesso de chuvas na Região Sul e o tempo seco no Norte está atrasando o plantio da nova safra em algumas unidades da Federação, o que pode atrasar a colheita e, consequentemente, o plantio da segunda safra, trazendo maior insegurança climática para a mesma”, explica o pesquisador do IBGE Carlos Barradas.

    Já a cultura do arroz deverá ter alta de 2,5% na produção, com aumento de 4,5% na área colhida.

    Safra de 2023

    Segundo o LSPA de outubro, com uma safra de 317 milhões de toneladas neste ano, a produção agrícola deverá ser recorde, com uma alta de 20,6% em relação ao ano anterior, com altas de produção nas lavouras de soja (27%) e milho (19,5%), mas queda no arroz (4%).

    Veja também: Exportações do agronegócio bateram recorde em julho