Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    UBS anuncia oferta de compra do Credit Suisse por cerca de US$ 3,2 bilhões

    Negócio não precisará da aprovação dos acionistas depois que governo suíço concordou em mudar a lei para que possa ser concluído rapidamente

    Credit Suisse, banco de 167 anos de história e um dos maiores gestores de fortunas do mundo, vinha perdendo a confiança de investidores e clientes há anos
    Credit Suisse, banco de 167 anos de história e um dos maiores gestores de fortunas do mundo, vinha perdendo a confiança de investidores e clientes há anos Divulgação

    Da CNN*

    O maior banco da Suíça, o UBS, concordou em comprar seu rival em dificuldades, o Credit Suisse, em um acordo de resgate de emergência destinado a conter o pânico do mercado financeiro desencadeado pela falência de dois bancos americanos no início deste mês.

    “O UBS anunciou hoje a aquisição do Credit Suisse”, disse o Banco Nacional Suíço em um comunicado. “Essa aquisição foi possível com o apoio do governo federal suíço, da Autoridade Supervisora ​​do Mercado Financeiro Suíço e do Banco Nacional Suíço”, acrescentou o banco central.

    Ele disse que o resgate “asseguraria a estabilidade financeira e protegeria a economia suíça”.

    O UBS está pagando 3 bilhões de francos suíços (US$ 3,25 bilhões) pelo Credit Suisse, cerca de 60% menos do que o banco valia quando os mercados fecharam na sexta-feira (17).

    Os acionistas do Credit Suisse serão amplamente prejudicados, recebendo apenas 1 ação do UBS por 22,5 ações do Credit Suisse que possuem. O negócio não precisará da aprovação dos acionistas depois que o governo suíço concordou em mudar a lei para que possa ser concluído rapidamente.

    O Credit Suisse vinha perdendo a confiança de investidores e clientes há anos. Em 2022, registrou sua pior perda desde a crise financeira global.

    Mas a confiança desmoronou na semana passada depois que reconheceu “fraqueza material” em sua contabilidade e quando o desaparecimento do Silicon Valley Bank e do Signature Bank espalhou o medo sobre instituições mais fracas em um momento em que as altas taxas de juros minaram o valor de alguns ativos financeiros.

    As ações do banco de 167 anos caíram 25% na semana, o dinheiro foi despejado dos fundos de investimento que ele administra e, a certa altura, os correntistas estavam retirando depósitos de mais de US$ 10 bilhões por dia, informou o Financial Times.

    Um empréstimo de emergência do Banco Nacional da Suíça não conseguiu estancar o sangramento.

    Desesperadas para evitar que o colapso se espalhasse pelo sistema financeiro global na segunda-feira (20), as autoridades suíças pressionaram fortemente por um resgate do setor privado, com apoio limitado do Estado, enquanto supostamente consideravam o Plano B – uma nacionalização total ou parcial.

    A aquisição de emergência foi acertada após dias de negociações frenéticas envolvendo reguladores financeiros na Suíça, Estados Unidos e Reino Unido. O UBS e o Credit Suisse estão entre os 30 bancos mais importantes do sistema financeiro global e, juntos, possuem quase US$ 1,7 trilhão em ativos.

    “Dadas as recentes circunstâncias extraordinárias e sem precedentes, a fusão anunciada representa o melhor resultado disponível”, disse o presidente do Credit Suisse, Axel Lehmann, em comunicado.

    “Este tem sido um momento extremamente desafiador para o Credit Suisse e, embora a equipe tenha trabalhado incansavelmente para resolver muitos problemas legados significativos e executar sua nova estratégia, somos forçados a chegar a uma solução hoje que forneça um resultado duradouro.”

    As sedes globais do UBS e do Credit Suisse estão a apenas 300 metros de distância uma da outra em Zurique, mas a sorte dos bancos tem seguido caminhos muito diferentes recentemente.

    As ações do UBS subiram 15% nos últimos dois anos e registraram um lucro de US$ 7,6 bilhões em 2022. O maior banco da Suíça tinha um valor de mercado de ações de cerca de US$ 65 bilhões na sexta-feira (17), segundo a Refinitiv.

    As ações do Credit Suisse perderam 84% de seu valor no mesmo período e, no ano passado, registraram uma perda de US$ 7,9 bilhões. No final da semana passada, valia apenas US$ 8 bilhões.

    Datado de 1856, o Credit Suisse tem suas raízes no Schweizerische Kreditanstalt, que foi criado para financiar a expansão da rede ferroviária e a industrialização da Suíça.

    Além de ser o segundo maior banco da Suíça, cuida da fortuna de muitas das pessoas mais ricas do mundo e oferece serviços globais de banco de investimento. Tinha mais de 50 mil funcionários no final de 2022, 17 mil deles na Suíça.

    O Banco Nacional da Suíça disse que concederia um empréstimo de 100 bilhões de francos suíços (US$ 108 bilhões) ao UBS e ao Credit Suisse para aumentar a liquidez.

    Recompra de ações

    O UBS decidiu suspender o seu plano de recompra de ações após o anúncio da compra do rival Credit Suisse. A política de distribuição de dividendos do banco, porém, será mantida intacta, segundo o chairman do UBS, Colm Kelleher.

    “É um dia histórico. Na Suíça é um dia que, francamente, esperávamos que não viesse”, disse ele, ao iniciar teleconferência com analistas para comentar a compra do Credit Suisse, neste domingo.

    Kelleher reforçou que, a despeito da aquisição do Credit, o UBS segue “firmemente comprometido” com sua estratégia de crescimento orgânico. Ele afirmou que vários eventos nas últimas semanas instaram o UBS a considerar uma aquisição do Credit Suisse, motivada por órgãos reguladores da Suíça, para preservar a estabilidade financeira global.

    Como consequência à aquisição, ele anunciou que no curto prazo, resultará na suspensão temporária de programa de recompra de ações do UBS. “Embora nossa política progressiva de dividendos permaneça intacta”, acrescentou o chairman do banco.

    Kelleher afirmou ainda que, embora o UBS não tenha iniciado as discussões com o Credit, o banco considera a transação “financeiramente atraente” para os seus acionistas.

    De acordo com ele, a transação foi estabelecida de uma forma que vai proteger o banco de perdas adicionais e deve apoiar o crescimento dos lucros ao longo do tempo, fora que os termos da transação têm total apoio de os reguladores relevantes e assegura a estabilidade financeira para todos os nossos stakeholders.

    “Isso inclui suporte de liquidez muito significativo fornecido pelo Swiss National Bank [o banco central da Suíça]”, acrescentou.

    Unidade suíça

    O presidente do UBS, Colm Kelleher, disse que o banco quer manter a unidade suíça do Credit Suisse, falando em uma coletiva de imprensa anunciando a fusão entre os dois maiores bancos da Suíça neste domingo.

    “É um bom ativo que estamos muito determinados a manter e, esperamos, atender seus clientes e clientes com a mesma eficiência que o Credit Suisse fez”, disse Kelleher.

    O presidente do maior banco da Suíça disse que “vai acabar com a parte de banco de investimento do Credit Suisse, porque o próprio UBS tem um modelo semelhante ao de um banco de investimento”.

    Kelleher também disse que era “muito cedo” para dizer sobre cortes de empregos. “Precisamos fazer isso de maneira racional e ponderada, quando nos sentamos e analisamos o que precisamos fazer.”

    (Com informações de Mark Thompson, da CNN, em Londres, e da Reuters e Estadão Conteúdo)