Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Kim aciona MP após Lula pedir votos para Boulos em ato de 1º de Maio

    Deputado é pré-candidato a prefeito de São Paulo e pede punição à campanha adversária

    Douglas Portoda CNN São Paulo

    O deputado federal Kim Kataguiri (União) acionou o Ministério Público (MP) contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o também parlamentar Guilherme Boulos (PSOL) por “pedido explícito de voto”.

    Pré-candidato a prefeito de São Paulo, Kataguiri tomou a medida após Lula pedir para os presentes em ato de 1º de Maio na capital paulista para votarem em Boulos, que também pretende disputar o Executivo paulistano na eleição de outubro.

    A representação foi encaminhada à Procuradoria da 1ª Zona Eleitoral. “O objetivo é que o Ministério Público tome medidas para investigar e, se necessário, punir a campanha antecipada”, disse a assessoria de Kataguiri em nota.

    A CNN entrou em contato com a campanha de Boulos a respeito da representação de Kataguiri e aguarda retorno.

    De acordo com o calendário eleitoral de 2024, a propaganda eleitoral pode ser feita a partir de 16 de agosto, data posterior ao término do prazo para registro de candidaturas.

    Antes do período, qualquer propaganda ou manifestação com pedido explicito de voto pode ser considerada irregular e passível de multa.

    Segundo Kataguiri, “é um absurdo fazer campanha eleitoral fora do tempo permitido, porque isso desrespeita as regras da disputa e prejudica a todos. O pleito precisa ser justo, com igualdade para todos os candidatos. Por isso, elaborei a representação para garantir que a eleição seja limpa e sem vantagens indevidas”.

    MDB também diz que acionará MP

    O Diretório Municipal de São Paulo do MDB, do prefeito e pré-candidato à reeleição Ricardo Nunes, disse que também buscará as medidas judiciais cabíveis para aplicação de multa a Lula e Boulos por propaganda eleitoral antecipada.

    Em nota, a pré-campanha de Boulos disse que Nunes quer fazer uma “cortina de fumaça” com ações judiciais pelo episódio.