Sem pipoca e refrigerante, cinemas reabrem na China após seis meses fechados


Jill Disis e Shanshan Wang, da CNN
20 de julho de 2020 às 08:43
Conselho de estado da China autorizou reabertura dos 70 mil cinemas no país

Governo chinês autorizou que salas de cinema em regiões de 'baixo risco' para o novo coronavírus voltem a funcionar com 30% da sua capacidade

Foto: Marcelo Camargo -19.set.2014/ Agência Brasil

O gigante sistema de salas de cinemas da China começou a reabrir nesta segunda-feira (20) depois de ficarem fechados por mais de seis meses em razão da pandemia do novo coronavírus, com capacidades menores e veto a consumo de alimentos e bebidas nas salas.

A Administração de Filmes da China anunciou na semana passada que as salas localizadas em regiões de “baixo risco” para a doença poderiam voltar a funcionar nesta segunda, com algumas medidas de precaução.

Quem quiser frequentar os cinemas terá que usar, obrigatoriamente, máscara de proteção e passar por checagem de temperatura. Além disso, os complexos devem operar com apenas 30% de sua capacidade – e não será permitido comer ou beber em suas dependências.

Apesar do requisito de as salas estarem em áreas de baixo risco, na prática, a maior parte da China deve ser autorizada a reabrir seus cinemas, afirmou o jornal estatal "Global Times".

Assista e leia também:

Com novo coronavírus sob controle, China reabrirá gradualmente seus cinemas

China registra primeiro crescimento das importações desde o início da pandemia

Cinemas de SP se preparam para reabertura

A venda de ingressos para esta segunda gerou mais de 3,03 milhões de yuan (cerca de R$ 2,3 milhões) até as 17h (6h, em Brasília), de acordo com a Maoyan, uma das principais plataformas de venda de ingressos do país.

O filme chinês “O Primeiro Adeus” (2008), que conta a história de um menino da região de Xinjiang, a produção de 2017 da Pixar “Viva – A Vida É uma Festa” e o thriller chinês “Sheep Without A Shepherd” foram as produções mais procuradas na pré-venda de ingressos, de acordo com o Global Times.

A China tem uma enorme indústria cinematográfica que gerou mais de 64 bilhões de yuan (cerca de R$ 49,3 bilhões) em vendas de ingressos no ano passado – perdendo apenas para os Estados Unidos.

Os cinemas chineses fecharam em janeiro, quando o novo coronavírus se espalhou rapidamente pelo país. Isso fez a indústria perder o período de vendas do Ano Novo chinês, em fevereiro, período que normalmente representa um grande aumento boom para cinemas e estúdios, já que muitos moradores assistem a filmes durante o longo feriado.

Muitos usuários das redes sociais chinesas comemoraram a reabertura nesta segunda-feira.

"Cinema, eu estou indo!" escreveu um usuário do Weibo, espécie de Twitter chinês, que disse "entender e apoiar medidas de prevenção e controle". Outro usuário disse que se sentiria satisfeito por assistir a um filme, mesmo que não pudesse comer ou beber na sala.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original, em inglês)