Setor cultural se reinventa para atrair público na pandemia

À CNN, a atriz Vanessa Melo contou que 'não teve jeito' a não ser se reinventar: 'Foi quase que um processo de sobrevivência'

Da CNN
21 de agosto de 2020 às 15:40

Com o setor cultural entre os principais afetados pela pandemia da Covid-19, artistas precisaram se reinventar e partir para plataformas online para atrair público e se manter.

Grupos de artistas têm se reunido para fazer interpretações em lives nas redes sociais, como uma saída para tentar recuperar parte da renda perdida com o fechamento de teatros e outros estabelecimentos culturais.

Leia, ouça e assista também:

Governo libera R$ 3 bi para auxílio a artistas informais pela Lei Aldir Blanc
'Artista não quer esmola', diz secretário de Cultura Mário Frias
Artistas LGBTQI+ levam diversidade ao sertanejo: conheça o ‘queernejo’

A atriz Vanessa Melo fala à CNN sobre a crise no setor cultural em meio à pandemia e como artistas criaram alternativas para passar pelo período
Foto: CNN (21.ago.2020)

A atriz Vanessa Melo conta que "não teve jeito". "Foi quase que um processo de sobrevivência. Como sobreviver de arte em um mundo, que precisa tanto de arte, [mas] nesse meio em que não podemos nos encontrar pessoalmente? O único meio foi pelas redes sociais", relatou.

Após a aprovação da lei Aldir Blanc no Congresso, o governo federal abriu crédito extraordinário de R$ 3 bilhões a estados, municípios e ao Distrito Federal para viabilizar o pagamento do Apoio Emergencial a artistas.

A lei, sancionada em junho, prevê pagamento de três parcelas de um auxílio de R$ 600 a artistas informais.

Para a atriz, o benefício "salva um pouco a vida, mas não tem como cuidar das contas básicas".

"Então a gente tem que correr atrás de fazer outras coisas. Comecei a fazer geleias artesanais, por exemplo", contou.

Sobre a transição dos palcos para a interpretação diante da tela, a artista reflete: "Dá trabalho e o que é o mais incrível é que dá o mesmo friozinho na barriga".