Com atraso, governo inicia ajuda a artistas na pandemia


Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
07 de setembro de 2020 às 07:48 | Atualizado 07 de setembro de 2020 às 13:30

Somente agora, em setembro, o governo começa a pagar auxílio emergencial para classe artística do país para amenizar os efeitos da pandemia.

O benefício é no valor de três parcelas de R$ 600.

A primeira etapa de pagamento dos recursos da União para os governos locais ocorre nesta semana. A última etapa será no fim de outubro. Os gestores locais vão cuidar do pagamento. Enquanto isso, muitos artistas têm ficado em casa, com baixo ou nenhum retorno financeiro.

A própria Orquestra Sinfônica de Brasília, com a relevância que tem, gravou de casa o vídeo para exibição do hino nacional na comemoração do 7 de setembro, com a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ministros, no Alvorada.

Assista e leia também: 

Governo libera R$ 3 bi para auxílio a artistas informais pela Lei Aldir Blanc

Setor cultural se reinventa para atrair público na pandemia

'Artista não quer esmola', diz secretário de Cultura Mário Frias

Muitos artistas têm ficado em casa, com baixo ou nenhum retorno financeiro

Durante a pandemia, muitos artistas têm ficado em casa, com baixo ou nenhum retorno financeiro

Foto: Léo Rodrigues - 22.ago.2017/ Agência Brasil

O secretário de Cultura de Brasília, Bartolomeu Rodrigues, afirmou à CNN que a capital federal terá direito a quase R$ 40 milhoes desses valores e que a grande expectativa é que a liberação ocorra logo. Nas palavras dele, "milhares de artistas em todo o país aguardam ansiosos esse auxílio emergencial".

O benefício será pago com base na lei batizada de Aldir Blanc, compositor e escritor que morreu vítima da Covid-19.

Ao todo, a Secretaria Nacional de Cultura vai liberar cerca de R$ 3 bilhões que poderão ser utilizados pelos estados e municípios tanto como assistência para os artistas autônomos quanto para a manutenção de espaços artísticos culturais.

Não há como negar que um dos motivos da demora, foram as idas e vindas com a saída da secretária nacional de Cultura Regina Duarte. Dias antes de ser demitida, em maio, a atriz ainda comemorava a assinatura de sua primeira ação normativa para cultura. Apesar da saída de Regina, a liberação dos recursos demorou mesmo assim. Atualmente o secretário é o ator Mário Frias.

Tem direito ao benefício artistas com atuação de dois anos comprovada. Também devem ter renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135), o que for maior.