Carnaval em julho de 2021 seria inviável, diz presidente da Riotur

A Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) decidiu adiar o Carnaval 2021

Da CNN
25 de setembro de 2020 às 10:07

O presidente em exercício da Riotur (Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro), Fabricio Villa Flor, afirmou à CNN, nesta sexta-feira (25), que realizar o Carnaval em julho de 2021 seria inviável.

O mês (julho de 2021) foi sugerido pelo prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), para que o Carnaval fosse realizado na Bahia. Villa Flor foi questionado se o Rio poderia adotar o mesmo espaço no calendário.

"Conversei com o secretário de Turismo de Salvador (Pablo Rodrigo Barrozo) a respeito da possibilidade de ser em julho, só que, segundo a Liesa (Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro), é uma data inviável, tendo em vista a preparação do Carnaval de 2022, além de outros eventos com possibilidade de acontecer, como Olimpíada", informou.

Leia e assista também:
Desfile das escolas de samba do Rio é adiado
Corrida de São Silvestre é adiada para julho de 2021
Disney adia lançamento de ‘Viúva Negra’ para 2021

Escola de samba em desfile de Carnaval no Rio
Escola de samba em desfile de Carnaval no Rio
Foto: Reprodução/CNN (25.set.2020)

Em relação à decisão da Liesa de adiar o Carnaval 2021, ele avaliou como uma medida "responsável tendo em vista ainda não ter uma vacina", e disse que a Riotur está "tentando buscar nova alternativa". 

"Vamos sentar com a Liesa na semana que vem para discutir a possibilidade de um novo desenho, mas muito difícil fazer isso com a aglomeração de pessoas que existe no Carnaval", avaliou.

De olho no impacto econômico da não realização do Carnaval, o presidente informou que o objetivo é "tentar chegar a uma alguma coisa para ser realizada no Carnaval, com respeito aos protocolos e às vidas das pessoas".

Villa Flor finalizou afirmando que "a data não tem como sair da Riotur ou do município". "É uma discussão muito grande e vamos ter reuniões periódicas", disse. 

Modelo

Em entrevista, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, disse que o modelo tradicional do desfile também está sendo discutido, já que pode não haver condições de público e aglomeração.

“As escolas estão trabalhando seus enredos. Tem também a possibilidade de trabalhar de forma alternativa o samba-enredo. Tudo está sendo analisado para dar sequência na preparação de um futuro espetáculo”, diz Castanheira. 

A decisão para o adiamento foi unanime. Nos próximos meses uma nova reunião deve decidir o futuro do Carnaval no Rio.

(Edição: André Rigue)