Polícia ouve produtor suspeito de ocultar músicas inéditas de Renato Russo


Cleber Rodrigues, Camille Couto e Thayana Araújo, do Rio de Janeiro
29 de outubro de 2020 às 13:13 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 13:14


 

O produtor musical e pesquisador, Marcelo Froes, prestou depoimento à Polícia Civil do RJ nesta quinta-feira (29), sobre a suspeita de ocultação de músicas inéditas do cantor Renato Russo.

Froes chegou à Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) por volta das 11 horas, sem falar com a imprensa.

Leia também:
Polícia faz operação no RJ para localizar obras inéditas de Renato Russo

Na última segunda-feira (26), policiais civis estiveram em três endereços do empresário – dois na zona sul e um no centro da capital fluminense. Na ocasião foram apreendidos computadores, HDs, CDs e um relatório no qual constariam músicas inéditas gravadas pelo cantor Renato Russo. A operação foi batizada de ‘Será’ – referência a uma das músicas mais famosas do ex-vocalista da Banda Legião Urbana.

As buscas foram determinadas pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Há pouco mais de um ano, a polícia passou a investigar uma denúncia de Giuliano Manfredini, que é filho e detentor dos direitos autorais do cantor, de que algumas músicas inéditas do pai teriam sido ocultadas pelo produtor musical, que trabalhou com Renato Russo nos anos finais de carreira e que ficou responsável por levantar o acervo musical do artista, a pedido da família.

O objetivo do depoimento desta quinta-feira é apurar se Marcelo Froes de fato ocultou as canções. É a primeira vez que ele é ouvido no processo.