DJ Alok abre mão de lucro e lança instituto de R$ 27 milhões contra desigualdade

Artista diz ter sido motivado por experiências com projetos de caridade durante tratamento da depressão

Abinoan Santiago, colaboração para a CNN
16 de dezembro de 2020 às 15:13 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 15:24
Alok diz que criou instituto após ter contato com ações de caridade
Foto: Reprodução / Instagram

 

O DJ Alok anunciou na terça-feira (15), por meio de suas redes sociais, a criação de um instituto com finalidade de combater desigualdades sociais. O investimento inicial do artista, considerado um dos melhores DJs do planeta, é de R$ 27 milhões.

Segundo o DJ, a ideia surgiu a partir de sua própria experiência de vida com ações de caridade durante o tratamento de depressão. O investimento inicial, garante o artista, é parte do lucro do qual abriu mão de uma parceria com o “Free Fire”, jogo eletrônico que tem o DJ como um dos personagens.

Leia também:
Meteoro é avistado durante show do DJ Alok em Goiânia
Rock in Rio 2021 terá Iron Maiden, Megadeth e Sepultura; veja line-up de metal
Taylor Swift lança Evermore, seu segundo álbum de 2020

“Fui curado de uma depressão muito profunda através do ato de caridade. Foi a partir daí que tive contato com o divino. A questão da vida não é acumular milhões, mas transformar o mundo em um lugar melhor”,
comentou o artista em suas redes sociais.

O investimento será totalmente investido em ações no Brasil. Alok explicou ainda que o instituto é aberto e que pretende despertar demais parceiros para auxiliarem em investimentos e ações de combate às desigualdades no país.

“Estamos nos somando aos esforços de muitas pessoas e outras organiza ações no combate à desigualdade e na construção de uma sociedade inclusiva, justa e feliz. Estamos juntos”, disse o DJ, já nas redes sociais do Instituto Alok.

Em uma sequência de stories na manhã desta quarta (16), Alok voltou a comentar sobre o instituto. Desta vez, o artista falou a algumas mensagens de seguidores que, de acordo com ele, levantaram suspeitas sobre a iniciativa. 

“Fico de cara como é que existem pessoas que não conseguem simplesmente entender que abri mão do meu lucro para fazer investimentos sociais, inclusão e sensibilidade”, afirmou o DJ.