Oscar 2021 tem novas regras com pandemia e streaming ganha espaço; veja mudanças


Larissa Santos, colaboração para a CNN
13 de janeiro de 2021 às 08:26
Estatueta do Oscar
Estatueta do Oscar no Dolby Theater, em Los Angeles
Foto: Lucy Nicholson/Reuters (22.fev.2015)

O Oscar deste ano pode não ser nada do que estamos acostumados. Habitualmente, a cerimônia acontece na segunda quinzena de fevereiro, porém a data da premiação este ano é 25 de abril. O adiamento foi anunciado em 15 de junho de 2020, com a esperança de que fosse possível a cerimônia ser presencial. Sete meses depois, algumas vacinas despontam pelo mundo, mas a dúvida sobre a possibilidade de o evento acontecer presencialmente continua. A Academia avalia uma versão online da premiação, porém nada foi divulgado até então.

Com os cinemas fechados e as estreias de filmes adiadas indefinidamente, a Academia aumentou os prazos para os filmes poderem ‘estrear’. O prazo padrão para longas-metragens, usualmente, é que sejam filmes que estrearam entre 1º janeiro e 31 de dezembro do ano anterior. Agora, o prazo de estreia para os filmes do Oscar 2021 é de 1º de janeiro de 2020 a 28 de fevereiro de 2021.

 

Categorias especiais como longa-metragem de animação, documental e internacional, curta-metragem documental, de animação e em live action o prazo de elegibilidade ficou para 1º de dezembro de 2020. As categorias gerais, como Melhor Filme, aceitam inscrições até dia 15 de janeiro de 2021.

Streaming ganhou espaço

De acordo com as regras gerais nos 92 anos de Oscar, os filmes só podem ser qualificados se fossem exibidos por pelo menos setes dias nos cinemas do condado de Los Angeles, com sessões pelo menos três vezes por dia. Com os cinemas americanos próximos de fazerem um ano fechados, as regras tiveram que mudar.

Para a 93º edição do Oscar, filmes que eram planejados para estrearem no cinema, mas que tiveram que estrear via streaming, video on demand ou outra transmissão passarão a ser aceitos na premiação. Cinemas drive-in também serão qualificados como espaço comercial, e os filmes deverão respeitar as regras de pelo menos sete dias de exibição. O requisito de exibição por pelo menos uma semana se manteve, e com a regra de ao menos uma sessão diária no horário comercial entre 18h e 22h.

Filmes que estavam planejados para estrearem em festivais e o próprio evento foi adiado, continuam elegíveis se tiverem suas estreias em streamings ou on demand. Todas as obras participantes de qualquer categoria deverão estar disponíveis no site dos membros da Academia em até 60 dias a partir da data de lançamento. Esse é um dos principais critérios de elegibilidade do ano.

Para facilitar a exibição, a Academia expandiu o circuito válido, atendendo a cidade de Nova York; a área da baía que abrange os condados São Francisco, Marin, Alameda, San Mateo e Contra Costa; o condado de Cook em Chicago; o condado de Miami-Dade na Flórida e o condado de Fulton, na Flórida.

As novas regras estipulam que quando os cinemas voltassem a funcionar ‘normalmente’ nos Estados Unidos, as antigas normas voltariam a valer.

 

Grande parte dos filmes planejados para estrear em 2020 foram adiados para este ano, com mudanças de datas de até um ano. Alguns, como por exemplo o live action de Mulan e a animação Soul, foram lançados em streamings. No caso, ambos os longas entraram na plataforma Disney +.

No ano passado, alguns filmes que eram produzidos e estrearam via streaming, como O Irlândes e História de um Casamento, tiveram pequenas exibições nos cinemas para se tornarem elegíveis à premiação.

A previsão é que a Netflix surfe nas indicações neste ano. Os cinéfilos de plantão já especulam que alguns títulos do streaming estejam entre os indicados deste ano.  Entre eles o trio “Destacamento Blood” do diretor Spike Lee, “A Voz Suprema do Blues” dirigido por George C. Wolfe e “Os 7 de Chicago” de Aaron Sorkin foram grandes estreias da Netflix em 2020.

O filme nacional escolhido pela Academia Brasileira de Cinema é o documentário “Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou” dirigido pela atriz Bárbara Paz. Agora o longa disputa uma das cinco vagas de Melhor Filme Internacional. A obra estreou nos cinemas no dia 26 de novembro e está disponível nos streamings Net Now, Vivo Play e Looke.

Outras premiações

O Oscar marca o fim de uma longa e divertida saga de premiações da TV e do Cinema. Devido à pandemia do coronavírus, as premiações que deveriam acontecer entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021 ainda estão para acontecer. No dia 28 de fevereiro o Globo de Ouro abre a temporada, ainda sem notícias sobre mudanças para uma versão online.

O Critic Choice Awards será o segundo da temporada, no dia 7 de março. De acordo com o site oficial, a programação continua presencial e caso ainda não seja seguro, a cerimônia passará a ser virtual e exibida pelo canal americano CW, na mesma data. O braço pipoca da cerimônia, o Critic Choice Super Award aconteceu no último domingo, 10, de forma totalmente virtual. A versão foi criada para homenagear produções mais populares, com foco nos gêneros de super-heróis, terror, ficção científica, fantasia e animação.

No dia 14 de março será o SAG Awards simultâneo ao Grammy 2021. Em abril o calendário será mais intenso. No dia 11 de abril acontecerá o BAFTA, prêmio da Academia Britânica de Cinema e Televisão. Já em 2020 a cerimônia aconteceu de forma online, no dia 3 de abril, sendo umas das primeiras a mudar de plataforma.

Logo vem o final de semana intenso: dia 24 acontecerá a Framboesa de Ouro e para fechar o Oscar, no dia 25. Todas as premiações mantêm a programação presencial.