Filme de Cannes sobre um hospital no limite critica a França de Macron

O sombrio 'La Fracture' ('A Divisão') apresenta um retrato das tensões sociais na França que se tornaram ainda mais relevantes desde a pandemia

Michaela Cabrera, Christian Levaux, Oliver Barth, Sarah White e Thomas Newey, da Reuters, em Cannes
10 de julho de 2021 às 16:16
Cena do filme 'La Fracture'
Cena do filme 'La Fracture', dirigido por Catherine Corsini
Foto: Divulgação

Situado em um hospital onde médicos sobrecarregados estão lutando com um influxo de manifestantes feridos, o sombrio filme francês La Fracture ("A Divisão") apresenta um retrato das tensões sociais na França que se tornaram ainda mais relevantes desde a pandemia da Covid-19, disse o diretor da obra neste sábado (10) no Festival de Cannes.

O filme é centrado em personagens de diferentes estilos de vida – incluindo um caminhoneiro infeliz e um cartunista parisiense – que se chocam no hospital em meio aos protestos antigovernamentais dos "Coletes Amarelos".

As manifestações, que começaram em 2018 como um movimento contra o alto custo de vida e acabaram, em alguns casos, em confrontos violentos com a polícia, arruinaram o segundo ano do presidente francês Emmanuel Macron no cargo.

Questionada sobre o que diria a Macron se tivesse uma chance, a cineasta Catherine Corsini, que passou um tempo em hospitais e conversando com "Coletes Amarelos" para preparar o filme, disse que, acima de tudo, faria campanha em nome dos hospitais.

"Eu diria a ele para dobrar o salário de todos os profissionais de saúde", disse Corsini em entrevista coletiva.

O filme foi concebido antes da pandemia do coronavírus, embora tenha sido filmado no meio do confinamento, aumentando as dificuldades para o elenco e a equipe, que precisavam usar máscaras e encontrar novas decorações, disseram os produtores.

Sua premissa agora era ainda mais relevante, acrescentou Corsini, já que o hospital estava sob pressão adicional.

Junto com os atores profissionais, Corsini escalou uma enfermeira da vida real para interpretar um funcionário de hospital que tenta incansavelmente lidar com a falta de medicamentos, equipamentos defeituosos e pacientes estressados ou desequilibrados.

“Eu realmente senti aquele cansaço, aquela falta de consideração, estar sobrecarregado. Ao mesmo tempo, devemos fazer nosso trabalho. Estamos aqui para cuidar dos seres humanos”, disse a atriz e enfermeira, Aissatou Diallo Sagna.

O filme, que corta de uma cena frenética para outra, depende do humor para mostrar seu ponto, à medida que os ânimos se rompem e os personagens discutem ou se unem por causa do caos que se desenrola ao seu redor.

O maior festival de cinema do mundo, que voltou à Riviera Francesa após um hiato em 2020 devido à pandemia, costuma incluir filmes abertamente políticos em sua seleção, e a competição deste ano tem várias inscrições ambientadas na França contemporânea.