Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Análise: Como “Heartstopper” se tornou um fenômeno com trama sobre amadurecimento

    Segunda temporada da série britânica chega à Netflix nesta quinta-feira (3)

    Joe Locke and Kit Connor na segunda temporada de "Heartstopper"
    Joe Locke and Kit Connor na segunda temporada de "Heartstopper" Divulgação/Netflix

    Brian Lowryda CNN

    Nada particularmente dramático acontece durante “Heartstopper”, trama adolescente britânica que retorna à Netflix para sua segunda temporada nesta quinta-feira (3).

    Isso por si só, estranhamente, faz o show – que o San Francisco Chronicle corretamente apelidou de “o anti-‘Euphoria‘” – parecer de alguma forma revolucionário, ainda mais um ano após sua estreia nos Estados Unidos.

    A primeira temporada da série, adaptada pelo diretor Euros Lyn e pela escritora Alice Oseman da história em quadrinhos, centrou-se principalmente no romance entre Charlie (Joe Locke), um tímido garoto abertamente gay; e Nick (Kit Connor), uma estrela do rugby que está começando a lidar com sua sexualidade.

    O que diferenciava “Heartstopper”, no entanto, tinha tanto a ver com o que não era quanto com o que era, com ênfase em momentos tranquilos, a incerteza do primeiro amor e uma atitude de aceitação geral em relação a seus personagens LGBTQ, incluindo pais que abraçam e apoiam seus filhos gays.

    Na medida em que a primeira temporada tratou de Charlie e Nick se apaixonando, a segunda parece mais visivelmente monótona. Eles estão juntos, mas em segredo, exceto por alguns amigos íntimos que sabem do romance, enquanto Nick luta para se assumir não apenas na escola, mas também para seus parentes, que não são tão esclarecidos quanto sua mãe carinhosa (Olivia Colman).

    A nova temporada também continua com uma discussão envolvendo o obcecado por filmes Tao (William Gao) e Elle (Yasmin Finney), uma garota trans que pensa em uma carreira artística promissora além de seus dias de colégio.

    Amigos de longa data, ambos nutriam sentimentos secretos um pelo outro, mas a ponte entre a amizade e o namoro se desenrola com o tipo de estranheza doce e hesitante que em grande parte define e distingue a série.

    Conforme observado, “Heartstopper” se destaca em parte por desviar-se para a luz em oposição à escuridão. Ao fazer isso, a produção britânica encontrou um caminho aberto entre a espuma da maioria dos pratos do Disney Channel e as imagens sombrias e brutais da vida adolescente que atraiu “Euphoria um volume desproporcional de atenção da mídia.

    A ironia é que uma discussão cada vez mais estridente em torno do movimento pelos direitos dos homossexuais fez com que “Heartstopper” parecesse estar se inclinando para um debate cultural simplesmente por abordar o amor jovem de maneira tão terna e prática.

    A série, no entanto, atingiu um acorde receptivo quando estreou, em parte porque é tão ousado sobre a flutuabilidade dessas experiências juvenis, habilmente usando música e animação para ilustrar as explosões dentro das cabeças dos personagens.

    Após a primeira temporada, Collider sugeriu que o programa havia “desmantelado” os estereótipos apenas por dispensar aquilo que passamos a associar com histórias LBGTQ.

    Katia Hetter, da CNN, chamou-a de “a história de amor adolescente queer que eu não sabia que precisava”, observando que, tendo saído na década de 1990, “é uma história de amor inocente que muitos de meus colegas e eu gostaríamos de ter crescido”.

    Numa época em que ser provocativo costuma ser considerado a maneira mais rápida e fácil de ser notado, nada sobre “Heartstopper” é explícito ou mesmo ousado, além de uma boa quantidade de amassos.

    Veja também: o que chega aos streamings em agosto

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original