Camila Cabello revela sua luta contra a ansiedade e seus esforços para se curar

Cantora revelou que precisou parar durante a pandemia para se tratar; nesta sexta-feira (8), ela lança o álbum "Familia"

Camila Cabello, durante visita à Kiss FM, em Londres, no dia 25 de março
Camila Cabello, durante visita à Kiss FM, em Londres, no dia 25 de março Getty Images for Bauer Media

Faith Karimida CNN

Ouvir notícia

A cantora e atriz Camila Cabello está se abrindo sobre a ansiedade “paralisante” que sentiu ao fazer seu novo álbum, “Familia”.

Em entrevista à People, Cabello o descreveu como “o pior estado de saúde mental de todos os tempos”.

“Eu estava extremamente ansiosa… Fiz uma pausa no início da pandemia. Comecei a fazer terapia [e] tentando me sentir melhor”, disse ela.

Suas lutas serão evidentes em seu novo álbum, revelou a jovem de 25 anos.

“Eu apenas vomitei palavras em um microfone na forma de uma melodia. Realmente não poderia ficar mais pessoal do que isso. Eu era toda um fluxo de consciência”, disse ela.

Camila agora está melhor e atribui isso à sua vulnerabilidade e esforços para se curar.

“Há uma sensação de confiança em mim mesma que sinto que não tinha antes, porque estava muito ansiosa o tempo todo”, disse ela à revista. “Eu realmente sinto que estou vivendo minha verdade e falando minha verdade para todos.”

Cabello e seu namorado de dois anos, o cantor Shawn Mendes, se separaram em novembro. Não está claro se seu novo álbum abordará seu relacionamento passado.

Três vezes indicada ao Grammy Awards usa das mídias sociais para ser vulnerável. No ano passado, ela publicou um TikTok no qual incentivou as mulheres a abraçar seus corpos reais. Na semana passada, ela compartilhou suas lutas com a imagem corporal no Instagram.

Na publicação, ela fala sobre como se sentiu desconfortável com o próprio corpo durante anos, seguindo um padrão cultural de corpos:

“Familia” está programado para ser lançado nesta sexta-feira.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN