China apaga informações de celebridades e fã-clubes ‘mal vistos’ da internet

Partido Comunista Chinês tem restringido pessoas e comportamentos considerados 'má influências' para jovens

A atriz Zhao Wei dirigindo seu segundo filme
A atriz Zhao Wei dirigindo seu segundo filme Zhao Wei Studio/Wikimedia Commons

Nectar GanSteve Georgeda CNN

Ouvir notícia

A repressão veio rapidamente e de forma arrebatadora, excluindo algumas das maiores estrelas e seus fã-clubes da internet na China em questão de dias.

Na última semana, a indústria de entretenimento da China tornou-se a última a cair na mira do Partido Comunista dominante, após a repressão de Xi Jinping contra a dissidência política, o ativismo social, o liberalismo ideológico e as empresas privadas.

Zhao Wei, uma das atrizes mais proeminentes da China, viu a sua presença na internet ser apagada do país durante a noite.

Sua página de fãs no Weibo, a versão chinesa fortemente censurada do Twitter, foi encerrada. Filmes e programas de televisão em que ela estrelou – alguns datando de duas décadas atrás – foram retirados das plataformas de transmissão, com seu nome também retirado das listas do elenco.

Emissoras e sites de vídeo também removeram as obras de Zheng Shuang, outra importante atriz chinesa que foi multada em 46 milhões de dólares por evasão fiscal na sexta-feira.

Zheng tinha sido apanhada em um escândalo envolvendo uma barriga de aluguel no início deste ano, depois que seu parceiro estrangeiro a acusou de abandonar seus dois bebês nos Estados Unidos.

O apagamento veio como uma lista de “celebridades mal-comportadas” alegadamente colocadas na lista negra pelas autoridades de radiodifusão da China, divulgada nas mídias sociais na quinta-feira.

Zhao e Zheng estavam na lista, assim como a estrela pop chinesa canadense Kris Wu, que foi preso por suspeita de estupro este mês.

Não ficou imediatamente claro porque Zhao era o alvo. A CNN questionou o agente da atriz.

Embora celebridades chinesas já tenham sido alvo do governo antes, a repressão mais recente é mais ampla e mais severa, com um apagamento quase completo do artista da internet.

A rasura é tão abrangente que foi comparada pelos fãs à formação de um buraco negro após o colapso de uma estrela.

As autoridades também visaram a cultura dos fãs das celebridades populares entre a juventude da China.

Na sexta-feira, a Cyberspace Administration of China (CAC) anunciou 10 medidas para “limpar” o que chamou de “caos” dos fã-clubes de celebridades, incluindo a proibição de qualquer tentativa de classificar celebridades com base na popularidade, e o endurecimento das regulamentações em torno de agências de talentos e contas de fã-clubes.

Um dia antes, a popular plataforma de vídeo iQiyi cancelou todos os shows de talentos de ídolos, chamando-os de “insalubres”.

Na mídia social chinesa, alguns comentários diziam que a repressão fazia lembrar a Revolução Cultural, uma década de turbulência política e social entre 1966 e 1976, durante a qual as artes e a cultura estavam restritas à promoção da propaganda partidária.

O Partido Comunista Chinês, que vê a cultura popular como um campo de batalha ideológico chave, há muito tempo mantém o setor de entretenimento em rédea curta com censura rigorosa.

Mas também incentivou seu crescimento, apoiando filmes e espetáculos nacionais destinados a ajudar a conquistar o público chinês de Hollywood e de outras produções estrangeiras.

Porém, sob Xi, o partido tem se tornado cada vez mais obcecado com o controle ideológico e cultural. O deslumbramento do estrelato e o frenesi dos fã-clubes são cada vez mais vistos como uma influência perigosa e perniciosa – especialmente sobre a juventude do país.

Mudanças e apoios

Durante décadas, o crescimento econômico robusto tem sido um pilar fundamental de legitimidade para o partido.

À medida que a economia chinesa diminui sua velocidade, Xi tem invocado a necessidade de “prosperidade comum” e se comprometeu a redistribuir a riqueza, com celebridades e magnatas empresariais de alto rendimento entre os primeiros a suportar o fardo.

A altíssima renda de algumas celebridades da lista é um lembrete gritante da lacuna de riqueza no país. Zheng recebeu mais de 24 milhões de dólares por dois meses e meio de filmagem de um drama romântico, ganhando um salário médio diário de mais de 300.000 dólares.

No ano passado, a título de comparação, o primeiro-ministro chinês Li Keqiang revelou que mais de 600 milhões de chineses estavam ganhando apenas US$ 140 por mês.

De uma perspectiva ideológica, o partido quer que as celebridades se tornem modelos para ajudar a promover valores como o patriotismo e o amor pelo governo. Muitos têm respondido ao chamado.

Nas mídias sociais, atores, cantores, influenciadores e outros artistas têm frequentemente agido como defensores ferrenhos do governo chinês, falando em apoio à polícia de Hong Kong durante os protestos pró-democracia de 2019 e liderando o boicote no início deste ano contra marcas ocidentais sobre sua posição contra supostos trabalhos forçados em Xinjiang.

Atores bem-sucedidos também se apressaram a estrelar em filmes patrióticos e programas de TV, e as celebridades se sentem cada vez mais obrigadas a prometer milhões de dólares em doações quando um grande desastre acontece.

Mas isso ainda não é suficiente. O partido vê os estilos de vida extravagantes de algumas celebridades como um sinal de decadência moral, e considera muitos dos ídolos populares masculinos também “efeminados”.

As medidas radicais tomadas por alguns fãs para defender seus ídolos contra adversários, tais como ofensas online, doxxing e divulgação de boatos, também têm atraído preocupações.

No sábado, o órgão anticorrupção do partido atacou o que chamou de cultura “tóxica” das celebridades, acusando tais práticas de “defenderem valores errados” na juventude chinesa.

“Se não for guiada e mudada, terá um enorme impacto destrutivo na vida futura dos jovens e na moralidade social”, disse em uma declaração.

Mas o mais urgente é que o partido está alarmado com o fervoroso comando de celebridades de alta lealdade entre os jovens fãs, que demonstraram notável capacidade, tanto online quanto offline, de se mobilizar em apoio a seus ídolos.

Após a detenção de Wu, alguns fãs pediram abertamente uma “operação de resgate” para ajudá-lo a livrá-lo da detenção policial – tirando a censura da mídia do partido e do estado.

Embora poucos levassem a sério o plano de “fuga da prisão”, para um partido no poder obcecado em manter a estabilidade e o controle, ele serve como um aviso de que alguns dos jovens do país estão dispostos a desafiar sua autoridade.

Quanto aos reguladores chineses, eles têm sido francos sobre as intenções políticas que estão por trás da repressão.

Em sua declaração de sexta-feira, o CAC pediu a várias autoridades a para que realizassem os apagamentos com “senso de responsabilidade, missão e urgência”, e a ter em mente que ela nasceu da necessidade de “salvaguardar a segurança política online e a segurança ideológica”.

Mais Recentes da CNN