Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Com 40 anos de carreira, Zeca Pagodinho revela não ter dimensão do seu sucesso

    Cantor deu início à turnê para celebrar trajetória na música

    Flávio Ismerimda CNN

    O cantor Zeca Pagodinho afirmou em entrevista à CNN que nunca pensou na proporção que sua música tomou e no tamanho do sucesso que ele fez com o passar dos anos.

    “É muita coisa. Agora que nós vamos tomar ciência, eu nunca tinha parado para pensar nisso. Agora, com esse show, está dando para reparar”, disse Zeca.

    Ele começou sua carreira cantando em rodas de samba do subúrbio do Rio de Janeiro e lançou sua primeira música, “Camarão que Dorme a Onda Leva”, que escreveu com Arlindo Cruz e Beto Sem Braço, aconselhado por sua madrinha Beth Carvalho.

    Para festejar seus 40 anos de carreira, o sambista começou, nesta sexta-feira (21), uma turnê com a qual percorrerá o Brasil até dezembro. Serão, ao todo, 17 shows em 13 cidades diferentes, além de um cruzeiro temático.

    “É para comemorar esses 40 anos”, disse a voz de “Verdade” e “Coração em Desalinho”. “A gente vai botar todo mundo para cantar os sucessos, uma trajetória muito grande.”

    Com um repertório vasto distribuído em mais de 20 discos gravados, Zeca Pagodinho contou com a ajuda de sua empresária Leninha Brandão, do seu diretor musical Paulão Sete Cordas e da equipe da gravadora para selecionar quais sucessos entrariam e quais ficariam de fora da turnê de 40 anos.

    O resultado foi uma lista de músicas que reúne alguns dos principais hits, como “Ogum” e “Quando a Gira Girou”, ao lado de canções que ele não costumava mais trazer em seus shows, como “Exaustino” e “Vacilão”.

    O projeto seguirá a tônica do show feito por Zeca no estádio Nilton Santos, em abril, cuja gravação chegou às plataformas musicais em sua totalidade também na sexta-feira. No entanto, Zeca adiantou à CNN que o público pode esperar uma ou outra surpresa durante os shows da turnê, que seguem à venda no site oficial.

    “Vamos fazer aquilo lá, mas surpresas aparecem”, disse citando o show do Engenhão.

    Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra