Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Conheça 11 hits do feminejo que falam de empoderamento feminino

    Marília Mendonça liderou o Sertanejo de Sofrência, protagonizado por vozes femininas

    Além de Marília Mendonça, Maiara e Maraisa, Lauana Prado e a antiga dupla Simone e Simaria também representam o movimento "feminejo"
    Além de Marília Mendonça, Maiara e Maraisa, Lauana Prado e a antiga dupla Simone e Simaria também representam o movimento "feminejo" Reprodução/Instagram

    Mariana Valbãocolaboração para a CNN

    Assim como o sertanejo se molda às novas gerações desde que surgiu, o gênero também viu um movimento ascender nos últimos anos. Comandado por vozes femininas, como por exemplo a de Marília Mendonça, o chamado “feminejo” fez com que mulheres se vissem retratadas nas letras das canções de grandes nomes da música sertaneja.

    Do sertanejo raiz ao universitário, as vozes masculinas costumavam dominar as paradas de sucesso. Tradicionalmente com letras que abriam debate sobre o machismo em um dos segmentos mais ouvidos do país, o gênero se revolucionou nos últimos anos.

    Nesse cenário, o nome de Marília Mendonça ascendeu dando voz às diversas realidades femininas, retratando agora o ponto de vista das mulheres diante de traições e desilusões amorosas. Contando a história de amantes e mulheres que se tornaram garotas de programa por circunstâncias sociais, Marília falou sobre todas essas mulheres sob o ponto de vista delas – o que não acontecia num mundo sertanejo cantando por homens.

    Maiara e Maraisa também ascenderam em meio ao crescimento do “feminejo”, assim como outras duplas como Simone e Simaria, que romperam a parceria em agosto de 2022. As artistas interpretaram letras de apoio à mulheres que sofrem com relacionamento abusivo.

    Outros nomes do sertanejo como Lauana Prado e mais recentemente, Ana Castela continuam a exaltar o empoderamento das mulheres em letras como “Primeiro Eu” e “Dona de Mim”.

    Conheça 12 hits do sertanejo que destacam o empoderamento feminino no nas letras de suas canções:

    1. Os Tempos Mudaram (Roberta Miranda & Marília Mendonça)

    O feat entre Roberta Miranda, um dos maiores nomes do sertanejo feminino, e Marília Mendonça, saudosa cantora que faleceu em um acidente aéreo em 2021, revela um novo comportamento das mulheres na sociedade atual. Livres para decidirem seu futuro, a letra exalta a independência feminina conquistada ao longo dos tempos.

    “Hoje a moda é outra, os tempos mudaram/ A mulher é independente/ Bebe, bate e joga o homem pra fora/ Homem que se atreve como antigamente/ A trair, virar as costas/ Hoje tudo é diferente, é a mulher que bate/ Na sua cara a porta”.

    2. Troca de Calçada (Marília Mendonça)

    Canção que retrata o ponto de vista de uma garota de programa sobre suas decepções, “Troca de Calçada” de Marília Mendonça pede pelo fim do preconceito contra essas mulheres, além de revelar seus sonhos quanto a vida amorosa.

    “Se alguém passar por ela/ Fique em silêncio, não aponte o dedo/ Não julgue tão cedo/ Ela tem motivos pra estar desse jeito/ Isso é preconceito”.

    3. Você Não Manda em Mim (Marília Mendonça & Maiara e Maraisa)

    Pertencente ao álbum “Patroas 35%”, a canção lançada em 2021 fala sobre o controle sofrido pela mulher em um relacionamento. Além de mostrar coragem, influenciando outras mulheres, “Você Não Manda em Mim” fala sobre a liberdade feminina almejada, que não deve ser restrita pelos parceiros.

    “Tire suas mãos de mim/ Quando eu te conheci você não era assim/ Não te devo explicação de nada/ Não tenho medo da sua ameaça/ É que pra você é só ciúme/ Mas isso é doença e você não assume/ Seu amor é mal acostumado a gritar e proibir”.

    4. Supera (Marília Mendonça)

    Além de conquistar o coração dos fãs com faixas como “Infiel” e “Amante Não Tem Lar”, Marília Mendonça reforçou ainda mais o laço de amizade entre mulheres ao cantar “Supera”. Na canção, uma mulher aconselha sua amiga a deixar o rapaz que está iludindo seu coração.

    “Não tô acreditando, vai fazer papel de trouxa outra vez. Cê não aprende mesmo, hein! / Para de insistir, chega de se iludir/ Se ele não te quer, supera!/ Ele tá fazendo de tapete o seu coração, promete pra mim que dessa vez você vai falar não/ De mulher pra mulher, supera!”

    5. A Culpa é Dele (Marília Mendonça & Maiara e Maraisa)

    A fim de acabar com a saia justa entre amigas por conta de algum relacionamento, Marília Mendonça lançou “A Culpa é Dele”, com participação de Maiara e Maraisa no Dia Internacional da Mulher, em 2018. Com um tom feminista, a faixa culpa o homem por causa desavença entre mulheres.

    “Do que você tá com medo?/ De estragar a amizade?/ Nem fica preocupada, a gente resolve mais tarde/ Se quem tava comigo era ele, a culpa é dele/ Quem fez essa bagunça na nossa amizade é ele/ Eu não vou deixar de ser sua amiga por causa de um qualquer/ Que não respeita uma mulher”.

    6. Veneno e Remédio (Maiara e Maraisa)

    Seguindo a inspiração do “feminejo” em retratarem a realidade de algumas mulheres em meio aos seus relacionamentos, Maiara e Maraisa gravaram “Veneno e Remédio” durante o distanciamento social e lançaram em 2021.

    “Eu preciso de espaço/ Não é pra você que eu vou ceder/ Não use o abraço pra tentar me prender/ Não respire o meu ar, cê vai me sufocar”.

    7. Chora Boy (Simone e Simaria)

    Lançada em 2016, “Chora Boy” fala sobre o empoderamento das mulheres e as incentivam a serem felizes, sem o controle de seus parceiros. Embora Simone Mendes tenha seguido carreira solo após o fim da dupla com a irmã, algumas canções da dupla se eternizaram como um importante recado às mulheres.

    “Tá pra nascer alguém que manda em mim/ Que possa me impedir de ser feliz/ Tá pra nascer e não vai ser você/ Sou vacinada e mando em meu nariz”.

    8. Amor que Dói (Simone e Simaria)

    A letra cantada pela antiga dupla Simone e Simaria tenta influenciar mulheres que sofrem com a violência doméstica a se livrarem de seus parceiros abusivos. A canção reflete ainda sobre o silêncio das vítimas com um simples pedido de desculpas de seu agressor.

    “Se atinge uma, atinge todo mundo/ Machuca uma, machuca todo mundo/ Você não tá sozinha, não/ Então por que não tira a tua voz do mudo?”.

    9. Primeiro Eu (Lauana Prado)

    Em alta na música sertaneja, Lauana Prado também já mandou um recado para as mulheres através da canção “Primeiro Eu”, lançada em 2022. Ao retratar um relacionamento frustrado, a cantora afirmou que prefere se priorizar ao invés de aceitar menos do que merece.

    “Não aceito e acabou/ O seu resto de amor/ É que eu me amo bem mais, quer saber?/ Primeiro eu, segundo eu/ Terceiro, não é você/ É que sozinha eu também sei viver/ E o coração pra me fazer sofrer/ Tá pra nascer”.

    10. As Butequera (Pauta Mattos)

    Lançada em 2016, “As Butequera” fala sobre a mudança na sociedade e no comportamento das mulheres ao longo dos anos. Se antes, havia um conceito do que deveria ser feito como tarefas de casa, hoje há liberdade, por exemplo, para mulheres beberem onde querem.

    “As mulher de hoje em dia tão diferente demais/ Cozinhava igual a mãe e hoje bebe mais que o pai/ Quem foi que disse que mulher e boteco não combina/ É, é porque não conheceram ainda”.

    11. Dona de Mim (Ana Castela)

    Representante do estilo que une o sertanejo ao universo agro, o “agronejo”, Ana Castela ascendeu no início da carreira com canções como “Dona de Mim”. A letra revela o conselho de uma mãe ao incentivar a filha a não depender de ninguém.

    “Correr atrás de quem não te quer, é burrice/ E no dia que eu saí de casa, minha mãe me disse/ Eu criei filha minha pra ser boiadeira/ Na volta desse mundo, não ficar por baixo/
    Não vai ter frescurinha pra abrir porteira/ E nunca nessa vida depender de macho”.