#CNNPop

Conheça o estilista brasileiro que conquistou Harry Styles e o mundo

Marco Ribeiro quebra estereótipos e chama a atenção da indústria fashion com criações coloridas e parcerias com celebridades

Zeinab BazziRaquel Silvada CNN

Se você é um fã do mundo da moda ou de Harry Styles (que, aliás, faz aniversário nesta quarta-feira, dia 1º), é bem provável que já tenha ouvido falar em Marco Ribeiro.   

Ribeiro é um estilista brasileiro radicado na França, que ganhou notoriedade com peças coloridas e pelo uso de formas geométricas em suas criações. Criações essas que já foram usadas por grandes nomes do universo pop, como Harry Styles.   

A sintonia entre eles foi tão grande que o brasileiro foi o primeiro nome escolhido pelo cantor para assinar uma parceria com a marca de beleza e cosméticos Pleasing, que pertence a Harry Styles.

Ribeiro assinou uma parceria com a marca de beleza e cosméticos Pleasing, que pertence a Harry Styles
Ribeiro assinou uma parceria com a marca de beleza e cosméticos Pleasing, que pertence a Harry Styles / Reprodução/redes sociais

Juntos, lançaram uma coleção que conta com diversos itens, como moletom, esmaltes e maquiagem — todos carregam nomes em português e formatos que remetem ao Brasil (um dos esmaltes, por exemplo, se chama “Borgonha Açaí Cremoso”).

“Sendo brasileiro, eu sempre vou trazer esse DNA comigo, porque faz parte, sabe? É o meu DNA”, explica Ribeiro.   

E esse DNA brasileiro é uma inspiração para Marco Ribeiro, que ano passado lançou a coleção “Waves of Love”, ou “ondas de amor”. 

Para transmitir essas ondas, grandes nomes da música nacional fizeram companhia para ele durante o processo criativo. “Tropicalismo, bossa nova dos anos 1970, Os Mutantes, Rita Lee, Gilberto Gil, Liniker, mais contemporânea, tudo isso era o que eu estava escutando naquele momento”, conta o estilista. 

Ele também tem noção do papel social que cumpre ao representar um homem negro, latino e gay numa indústria tão competitiva como a da moda. “Representa muito, sabe? Ser brasileiro, ser negro, ser gay e estar representando muitas outras coisas também. (…) É uma representatividade que eu não tive quando era criança. Então, isso também é uma motivação para continuar fazendo o que eu faço.”