Documentário ‘Get Back’ mostra os Beatles ‘como você nunca viu antes’

Série feita com 57 horas de gravações inéditas estreia nesta quinta-feira (25)

Jill Serjeantda Reuters

Los Angeles, EUA

Ouvir notícia

Em um estúdio de gravação fuleiro em Londres, Paul está trabalhando em uma versão inicial de “I’ve Got a Feeling”, Yoko está sentada perto de John, George luta para encontrar palavras certas para a letra de “Something “e Ringo faz malabarismos com suas baquetas.

Depois de 50 anos trancadas em um cofre, o diretor Peter Jackson editou 57 horas de filmagem inédita em uma série de documentários que mostra os Beatles tocando, dançando, brincando, experimentando novas músicas e resolvendo suas diferenças.

“Estes são os Beatles como você nunca os viu antes. Como seres humanos”, disse Jackson, o diretor neozelandês de “O Senhor dos Anéis” e fã dos Beatles .

Originalmente filmado durante 22 dias em janeiro de 1969, as gravações oferecem um retrato totalmente diferente da banda de Liverpool nos meses anteriores à sua separação amarga.

Veja o trailer:

Ao contrário da história dos Beatles, de que os quatro músicos não suportavam mais passar tempo juntos, Jackson encontrou “esses quatro caras que são amigos, que têm um profundo respeito um pelo outro”.

“Em vez de gritarem uns com os outros e se culparem e ficarem loucos, eles simplesmente se firmam, são profissionais, têm senso de humor e vão em frente. E eles acabam com o triunfo no terraço”, disse Jackson .

O documentário dividido em três partes “The Beatles: Get Back” será lançado no serviço de streaming Disney+ nesta quinta (25), sexta (26) e sábado (27).

As imagens foram gravadas quando Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr se encontraram para escrever 14 canções, gravar um novo álbum e organizar sua primeira apresentação ao vivo em três anos. Aquele agora lendário show de 30 de janeiro – no terraço da sede da Apple Corps no centro de Londres – também foi o último.

Como McCartney coloca em certo ponto: “A melhor parte de nós sempre foi e sempre será quando estivermos emparedados.”

As fitas foram originalmente filmadas para um documentário mais curto e rancoroso – “Let It Be” feito por Michael Lindsay-Hogg – que foi lançado em maio de 1970, logo depois que McCartney oficialmente deixou a banda.

Jackson trabalhou com o consentimento dos membros sobreviventes McCartney e Starr, a viúva de Harrison, e o filho de Lennon, Sean, mas disse que nenhum deles jamais pediu mudanças ou edições, apesar de estar nervoso com a recepção do documentário.

McCartney e Starr, disse ele, mal conseguem se lembrar dos detalhes daqueles dias, então “eles estão essencialmente vendo isso quase pela primeira vez também”.

“Eles também disseram que era muito estressante assistir. Eles estão muito cientes de que estão puxando a cortina e que você está vendo os Beatles de uma forma íntima e crua que eles nunca se permitiram ser vistos antes”, ele disse.

Como um fã dos Beatles de longa data que cita “Penny Lane” entre suas faixas favoritas, Jackson atribui a popularidade contínua dos Beatles ao alcance e à qualidade contagiante de sua música.

“Você não pode imaginar que as músicas ‘Yesterday’ e ‘Revolution No. 9’ vieram da mesma banda. Se você tocasse para pessoas que não conhecem, eles não pensariam que era a mesma banda.”

Mais Recentes da CNN