#CNNPop

Eliezer desabafa sobre “masculinidade tóxica” após redução das mamas

Nas redes sociais, ex-BBB comentou sobre críticas recebidas após cirurgia de ginecomastia

Eliezer fala sobre masculinidade tóxica
Eliezer fala sobre masculinidade tóxica Reprodução/Instagram

Bárbara Carvalhocolaboração para a CNN

São Paulo

O empresário e ex-BBB Eliezer realizou, no fim de agosto, uma cirurgia de ginecomastia, associada à lipoaspiração, para reduzir o tamanho de suas mamas. De acordo com o influencer, esta era uma parte de seu corpo que sempre o incomodou.

Dias após a realização do procedimento, Eliezer desabafou em suas redes sociais sobre masculinidade, já que tem recebido diversas críticas e questionamentos de internautas, por cuidar de sua aparência.

Em sua conta do Instagram, o pai de “Lua” e marido de Viih Tube, questionou por qual motivo existe a ideia de que se cuidar é algo associado principalmente às mulheres e por que muitos homens hesitam em adotar práticas de autocuidado.

“Por que se cuidar ainda é visto como coisa de mulher? Por que na maioria das vezes, quando questionamos um homem sobre cuidado, a resposta é quase sempre: ‘Não preciso disso, não. Estou bem!’?. A gente está vivendo um momento de mudança de comportamento e acho muito importante levantar essa questão para a gente entender melhor ‘o que é ser homem’. É só sobre virilidade? Cuidado ou autocuidado tira do homem essa tal virilidade?”.

Ele falou sobre a sua criação e a importância de criar meninos que não tenham medo de chorar e se cuidar.

“Sou de uma criação que homem não chora. Acho que a primeira vez que vi meu pai chorar, foi quando a Lua nasceu. Cresci com isso. Você já pensou em quantos homens choram em silêncio/escondido e até sofrem por isso?! Mas fico muito feliz que, hoje em dia, isso já esteja ultrapassado e já concordamos que chorar não faz de ninguém menos homem”, continuou.

“Mas e se cuidar? Ainda vivemos uma infância onde somente é ensinado cuidado para meninas. Como sempre foi: ‘Filha, quando crescer, vai ter seus filhos, tem que saber cuidar dos seus irmãos, cuidar da casa, dos filhos. Quando ficar mocinha tem que começar a ir ao médico, mas e o menino? É essencial que haja um novo olhar para a criação dos nossos novos meninos, colocar o cuidado na educação, rotina dessa criança, porque cuidado é coisa de ‘macho’ de ‘fêmea’ e qualquer outro tipo de gênero que exista”, disse.

“Vi uma pesquisa uma vez, que 30% das meninas de 12 a 18 anos já realizam acompanhamento médico, por exemplo, enquanto os meninos, dessa mesma idade, somente 1% fazem acompanhamento médico e isso é preocupante por inúmeros motivos, que vai além da condição física de saúde, né? Acredito que vivemos um momento em que todos estão tendo a possibilidade de se questionar se seus pensamentos e atitudes estão de acordo com o que realmente querem ser, então porque não se permitir e pensar sobre o cuidado com você mesmo?”, finalizou.

Entenda o procedimento feito por Eliezer

Segundo o cirurgião plástico membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Antônio Pitanguy, a ginecomastia – que é o aumento do tecido mamário ou gorduroso na região do tórax masculino – pode ser causada por distúrbios hormonais, obesidade, uso de medicamentos, como testosterona, e até mesmo neoplasias (massa anormal de tecido).

Ele aponta ainda que a condição é mais comum do que se imagina, especialmente quando se considera a pseudoginecomastia, que não envolve o aumento do tecido mamário glandular, mas, sim, o acúmulo excessivo de gordura. Neste caso, a aparência é causada principalmente pelo excesso de gordura, em vez de crescimento glandular real das mamas.

“A ginecomastia também pode possuir tratamentos diferentes que não envolvem a cirurgia, como o uso de medicamentos para diminuir a quantidade de hormônios”, diz.