Entrevista de Harry e Meghan tira ‘magia’ da realeza britânica

Fascínio pela realeza coloca o casal nas manchetes constantemente, mesmo em momento de pandemia e turbulência econômica

Harry e Meghan se desvinculam da monarquia britânica (20 fev 2021)
Harry e Meghan se desvinculam da monarquia britânica (20 fev 2021) Foto: Reprodução / CNN

Opinião de Richard Galant, CNN

Ouvir notícia

Entre os jornalistas da Inglaterra da Rainha Vitória, Walter Bagehot foi uma figura central. Ele não só se casou bem — com a filha do fundador da revista The Economist, cuja morte o colocou na cadeira de editor — como também escreveu um estudo clássico do governo britânico: “The English Constitution”.

Sobre o papel da monarquia, Bagehot notoriamente advertiu: “Acima de tudo, nossa realeza deve ser reverenciada, e se você começar a bisbilhotar, não poderá reverenciá-la. Quando houver um comitê seleto sobre a Rainha, o encanto da realeza terá desaparecido. Seu mistério é sua vida. Não devemos deixar a luz do dia entrar na magia”.

Qualquer que seja a magia que restou na Casa de Windsor hoje, depois de “The Crown“, pode não sobreviver à exibição da entrevista de Oprah Winfrey na noite de domingo (7) com o Príncipe Harry e Meghan, a Duquesa de Sussex.

Meghan disse a Winfrey que a família real, chamada de “A Firma”, estava “perpetuando falsidades” contra ela. Suas palavras evocaram memórias da tensão entre o Palácio de Buckingham e a Princesa Diana na década de 1990.

O palácio anunciou na última quarta-feira (3) que estava investigando acusações de que a duquesa havia intimidado um funcionário e que estava “muito preocupada”. 

Depois que a investigação foi relatada, Holly Thomas observou: “O porta-voz de Meghan disse que a duquesa estava ‘entristecida com este último ataque à sua personagem’, e um porta-voz dos Sussexes classificou a matéria do Times como ‘uma campanha de difamação calculada'”. Thomas acrescentou que a “ansiedade” do palácio para responder às alegações está “em forte contraste com suas reações anteriores às reclamações substancialmente mais graves contra o terceiro filho da rainha, o príncipe Andrew, o duque de York. Estes têm sido mínimos e resolutamente favoráveis ao príncipe”.

Peggy Drexler escreveu: “é fácil se sentir mal por Harry, que cresceu no centro das atenções, e por Meghan, que muitos diriam que tanto buscou quanto lutou por atenção”. Apesar de todos os seus privilégios, “desde que ele era pequeno, a vida de Harry era de ser seguido, seguido. Ele era jovem quando sua mãe, a princesa Diana, foi perseguida até a morte por paparazzi, mas com idade suficiente para se lembrar.”

Não culpe Harry por se afastar de seus deveres reais, acrescentou Drexler. “Ele é humano e escolheu reconhecer a dor que o desempenho desses deveres causou.”

Harry é o sexto na linha de sucessão ao trono britânico e, portanto, é improvável que tenha um papel constitucional no governo do Reino Unido. Mas o fascínio pela história de sua família coloca ele e sua esposa nas manchetes constantemente, mesmo em um momento em que a pandemia de Covid-19 e a turbulência econômica são as realidades cotidianas prementes para bilhões de pessoas.

Mais Recentes da CNN