Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Festival de Cannes: dos 22 filmes na competição, quatro são de mulheres

    Número é ainda mais baixo que o de 2023 em um ano que o júri é presidido pela diretora norte-americana Greta Gerwig

    A Palma de Ouro é o prêmio máximo do Festival de Cannes e tem grande prestígio na indústria cinematográfica
    A Palma de Ouro é o prêmio máximo do Festival de Cannes e tem grande prestígio na indústria cinematográfica Samir Hussein/WireImage

    Marina Toledoda CNN

    em São Paulo

    A Seleção Oficial do Festival de Cinema de Cannes conta com 22 filmes em competição, ou seja, que concorrem à Palma de Ouro, um dos prêmios de maior prestígio na indústria cinematográfica. Apenas quatro títulos dessa lista são dirigidos por cineastas mulheres. Isso em um ano que o júri da competição é presidido por uma mulher, a diretora norte-americana Greta Gerwig.

    Os filmes realizados por mulheres são: “All We Imagine As Light”, Payal Kapadia (Índia); “Bird”, de Andrea Arnold (Reino Unido); “Diamant Brut”, de Agathe Riedinge (França); e “The Substance”, de Coralie Fargeat (França). O número é ainda menor que o do ano passado, que contava com seis diretoras entre 19 cineastas.

    Na história, apenas três cineastas levaram o prêmio máximo da competição: Jane Campion em 1992, por “O Piano”; Julia Ducournau em 2021, por “Titane”; e Justine Treit no ano passado, por “Anatomia de uma Queda”.

    Entre os mais de 100 filmes que serão exibidos na 77ª edição, apenas 18,2% foram comandados por mulheres, segundo a plataforma alemã Statista.

    Ainda de acordo com o levantamento, o festival só começou passou a incluir profissionais do gênero feminino na seleção e no júri no início dos anos 2000. Ainda assim, na parte de filmes, o número não é equivalente ao de homens.

    A Statista aponta que de 2003 a 2023, apenas 12% dos filmes apresentados no festival foram realizados por diretoras mulheres.

    Uma das principais críticas às premiações da indústria cinematográfica nos últimos anos têm sido a falta de representatividade, entre elas a de mulheres.

    Curta brasileiro “Amarela” concorre à Palma de Ouro em Cannes