Fotógrafa registra em imagens as brincadeiras infantis pelo mundo

Nancy Farese viajou para 14 países, muitos em conflitos conflagrados, e notou como as crianças encontram formas de superar as dificuldades por meio de atividades lúdicas

Oscar Hollandda CNN

Ouvir notícia

Durante mais de uma década, Nancy Richards Farese viajou para captar imagens fofas de crianças de todo o mundo, indo de Burkina Faso a Honduras, da Etiópia a Espanha.

Em suas viagens, a fotógrafa norte-americana observou um traço comum que parece transcender as culturas. “Elas brincam”, Farese disse, em uma chamada de vídeo de Boston, “apesar do que está acontecendo ao redor delas”.

Talvez não haja melhor retrato disso do que as imagens de Farese feitas no imenso campo de refugiados em Cox’s Bazar, Bangladesh, lar de centenas de milhares de deslocados pela crise do povo rohingya de Mianmar.

No meio das dificuldades, ela documentou crianças soprando cata-ventos e puxando garrafões de água transformados em brinquedos improvisados, com rodas e uma corda velha.

“A gente vai lá para fotografar todo esse trauma e as dificuldades, e ainda assim nota que as crianças deslizam por uma colina de lama; elas criam brincadeiras incríveis e elaboradas com tampas de garrafas e sapatos; ou ainda fazem pipas e caminhões a partir de garrafas abandonadas e fitas cassete antigas”, contou.

“Os outros adultos e eu tínhamos uma ideia sobre a seriedade da situação daquele lugar e, no entanto, as crianças faziam algo de forma muito natural para ajudá-las a superar a situação”.

O novo livro de Farese reúne quase 100 fotografias de brincadeiras de crianças em 14 países. As personagens das fotos jogam xadrez na Jordânia e “Banco Imobiliário” em Cuba; eles saltam, se viram e correm sem preocupação; batem bola, sobem em paredes e pulam cordas. Bonecas e pipas são recursos recorrentes; os jogos de lançar pedrinhas e argolas são aparentemente globais – embora com nomes e parafernália diferentes.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN