Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Greta Gerwig não foi a única diretora esnobada pelo Oscar; saiba mais

    Mulheres responsáveis por filmes aclamados ficam de fora da premiação mais importante do cinema todos os anos

    Diretora de "Barbie", Greta Gerwig, ficou de fora do Oscar
    Diretora de "Barbie", Greta Gerwig, ficou de fora do Oscar 09/07/2023REUTERS/Mike Blake

    Lisa Respers Franceda CNN

    As pessoas estão revoltadas e surpresas após Greta Gerwig, responsável por “Barbie”, não aparecer entre as indicações do Oscar. A diretora ficou de fora dos indicados na categoria de Melhor Direção.

    A Academia de Cinema divulgou na última terça-feira (23) os indicados ao Oscar. Na categoria de Melhor Direção, Justine Triet foi a única mulher indicada, por seu trabalho no filme “Anatomia de uma Queda”.

    Apesar da injustiça com um dos filmes de maior sucesso de 2023 – que concorre, inclusive, a Melhor Filme no Oscar -, mulheres não receberem indicações individuais no Oscar é história antiga. Em quase 100 anos de história da Academia, mulheres ganharam Melhor Direção apenas três vezes: Chloé Zhao por “Nomadland,” Kathryn Bigelow por “Guerra Ao Terror” e Jane Campion por “Ataque dos Cães”.

     

    Os mais de 500 integrantes na seção de diretores da Academia, predominantemente homens apesar dos esforços para aumentar a diversidade nos últimos tempos, votam para escolher os indicados na categoria. Esse setor favorece historicamente diretores de dramas em vez de sátiras ou comédias.

    Ava DuVernay, por seu filme “Origin”, deveria também deveria ter sido considerada. O longa está sendo elogiado não apenas pela direção de DuVernay, mas também pela estrela Aunjanue Ellis-Taylorr – muitos críticos apontaram que ela entregou a melhor performance da carreira inspirada pela ganhadora do Pulitzer, Isabel Wilkerson.

    “Origin”, lançado em 2023, não recebeu nenhuma indicação no Oscar.

    Além de Greta, Celine Song também não foi indicada por Melhor Direção por “Vidas Passadas” – mesmo com seu longa entrando entre os dez indicados de Melhor Filme.

    No geral, três filmes dirigidos por mulheres conseguiram entrar na disputa pela estatueta mais importante da noite: “Barbie”, “Anatomia de uma Queda” e “Vidas Passadas”.

    Celine Song também foi indicada pelo roteiro do filme, na categoria Melhor Roteiro Original.

    Em nota à CNN, Kristen Schaffer, chefe-executiva da organização Women in Film, falou sobre a ausência de Celine Song e Greta Gerwig na categoria de Melhor Direção: “Embora estejamos animados por ver um recorde de filmes dirigidos por mulheres indicados na categoria de Melhor Filme, é decepcionante ver que as mulheres responsáveis por ‘Barbie’ e ‘Vidas Passadas’ foram desconsideradas tanto na categoria de direção quanto de melhor atriz principal.”

    “A indústria sempre ignora o trabalho das mulheres, e mesmo as mulheres por trás de filmes que são sucesso de bilheteria ou amados pela crítica estão sujeitas a isso”, continua Schaffer.

    Um estudo da Iniciativa de Inclusão Annenberg da Universidade do Sul da Califórnia examinou os filmes de ficção com maior bilheteria entre 2007 e 2023 para analisar as oportunidades de mulheres e outras minorias. Segundo a pesquisa, 2023 não teve um ganho maior para mulheres – apesar do sucesso estrondoso de “Barbie”.

    “Dos 116 diretores avaliados em 2023, 12,1% são mulheres. Ao longo de 17 anos e 1.769 diretores, apenas 6% foram mulheres”, consta a pesquisa. “Houve um aumento de mulheres desde 2007, quando elas representavam apenas 2,7%. No entanto, em 2022, apenas 9% dos diretores de sucessos de bilheteria foram mulheres.”

    A professora Stacy L. Smith, uma das autoras do estudo, disse que “mais de uma década e meia depois, a porcentagem de mulheres em grandes posições de direção não cresceu nem 10%”.

    *Com informações de Elizabeth Wagmeister e Sandra Gonzalez

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original